Leite

Diante da acusação, BRF solicita análises de contraprova junto a laboratórios credenciados ao Mapa

25/06/13

Após suspensão da venda de dois lotes do leite UHT “desnatado, rico em cálcio”, da marca Batavo pela Secretaria de Estado da Saúde do Paraná, após análises laboratoriais comprovarem a presença da substância formaldeído (formol) em quatro unidades dos lotes TT/04/DP e TT/04/ER”, a BRF informa que solicitou testes de contraprova com amostras dos lotes em que a contaminação foi detectada em um laboratório credenciado pelo Ministério da Agricultura (Mapa).

Segundo a matéria divulgada pela Infoglobo, o vice-presidente de Assuntos Corporativos da BRF, Wilson Mello, disse ao GLOBO que, no sábado, foram realizados testes de contraprova pela empresa nos dois lotes citados pelo MP paranaense e que nas três análises feitas pela BRF o resultado para a presença de formol foi negativo.

De acordo com a reportagem, o Vice-presidente da BRF afirma: “Estamos tranquilos. Não há qualquer problema. Acreditamos que o que houve foi uma falha metodológica ou análitica do laboratório que realizou o teste para a vigilância sanitária paranaense – afirma”. Segundo ele, como os testes são qualitativos, a calibragem do equipamento e o conhecimento técnico podem influenciar no resultado. Ele explicou que, como o leite em questão é enriquecido com cálcio, não é difícil acontecer uma falha na análise.

“Um leite integral que tenha formol, ficará marrom ao ser exposto a determinado reagente. O leite com cálcio, mesmo sem formol, também terá coloração marrom”, explica Mello, acrescentando que, para contra-prova, a BRF protocolou junto ao Lacen novas análises.

De acordo com Mello, toda a produção da Batavo da fábrica localizada no município gaúcho de Teotônia é destinada apenas ao mercado paranaense.

A reportagem diz que a Promotoria de Justiça do Paraná, além de determinar o recolhimento dos lotes comprometidos do comércio, orienta as pessoas que tenham comprado o leite desnatado Batavo enriquecido com cálcio, que não consumam e que encaminhem o produto à Promotoria de Defesa do Consumidor do Paraná.

As informações são da Infoglobo Comunicação e Participações S.A., resumidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint.

Clique aqui para ler a matéria na íntegra.