Soja

Deficiência de armazenagem ameaça o agronegócio de SC

27/05/2014

Santa Catarina investiu, no período 2013/2014, cerca de 80 milhões de reais na construção de silos e armazéns com capacidade para 140 mil toneladas de grãos. É um investimento razoável, mas, insuficiente em razão da elevada escassez dessas estruturas em território barriga-verde.

A atual capacidade de armazenamento de cereais é de pouco mais que 4 milhões de toneladas para uma produção estadual total de 6,5 milhões de toneladas de grãos, gerando um déficit de 40% das necessidades. O ideal, em qualquer país do mundo, é uma estrutura de silos e armazéns para, no mínimo, 120% da produção.

Consciente de que a deficiência da armazenagem causa grandes estragos à economia catarinense e se agrava a cada nova safra agrícola, o presidente Marcos Antônio Zordan da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) quer mudar essa realidade.

O problema atinge as 53 cooperativas agropecuárias filiadas e seus 63.000 produtores rurais associados. Essas cooperativas dispõem de silos e armazéns próprios para 2,1 milhões de toneladas de grãos o que, somadas às unidades terceirizadas (178 mil toneladas), totaliza uma capacidade total de armazenagem do sistema cooperativista em 2,3 milhões de toneladas.

O dirigente enfatiza que as cooperativas são, praticamente, as únicas a investir: nos últimos anos elas destinaram cerca de R$ 150 milhões de reais, ampliando a capacidade instalada em 250.000 toneladas. Levantamento da Ocesc concluiu que são necessários 42 novos armazéns em 41 cidades, operados por 22 cooperativas agropecuárias com capacidade total de aproximadamente 520.000 toneladas, o que exigirá investimentos da ordem de R$ 246 milhões de reais.

O Governo Federal criou no ano passado o Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), com recursos, via Banco do Brasil e Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para alavancar a armazenagem brasileira nos próximos cinco anos. O prazo é de 15 anos e os encargos de 4% ao ano. As cooperativas e os produtores tomam financiamentos através do PCA e o Governo do Estado paga 50% dos encargos financeiros (juros). Marcos Zordan assinala que “essa cooperação do Estado é importante porque o investimento é elevado, o retorno é muito lento e os encargos financeiros são altos em face da sua natureza operativa”.

O plano de armazenagem prevê 500 milhões de reais de investimentos na esfera estadual para geração de 1 milhão de toneladas em capacidade armazenadora. Até agora foram tomados apenas 16% do valor disponível para 14% da capacidade estática de armazenamento.
Zordan realça que é necessário estimular concretamente a ampliação da rede de armazéns com linhas específicas de crédito para construção, compra de equipamentos e reforma de unidades existentes, além de incentivar a armazenagem na propriedade porque “armazéns são empreendimentos de alto custo e baixo retorno, as obras dependem de licenças ambientais, construtoras e mão de obra em um período de grande escassez de recursos humanos.”

Estrutural

A falta de armazéns é um problema estrutural com profundos reflexos no nível de renda dos produtores. Como os armazéns disponíveis são insuficientes para receber e estocar a produção, uma das alternativas para amenizar essa dificuldade é a exportação dos produtos para outros países, especialmente o milho, para posterior importação de outros estados para atender as necessidades, pois o Estado é grande consumidor de grãos. Com esta operação Santa Catarina perde em arrecadação já que sobre o produto exportado não incide ICMS. Na internação de produtos de outros Estados é gerado crédito do imposto. “Se houvesse armazém, o produtor venderia a produção no momento mais adequado”.

A Ocesc constatou que o problema atinge a todos os atores da cadeia produtiva. Com insuficiência de armazéns, o produtor é obrigado a vender o produto agrícola em plena safra, momento em que os preços estão naturalmente em queda em razão da alta oferta. A indústria também sofre prejuízos porque vê a matéria-prima ser exportada, sabendo que terá, mais tarde, que reimportá-la para o processo industrial, pagando mais caro. Ao final, o consumidor pagará mais pelo alimento – seja carne, leite ou cereais – e o Estado, também, pelos créditos de ICMS.

Fonte: Agrolink