Manejo Produtivo

Cultivo de Erva-Mate é tema de Dia de Campo em Mata

27/03/15
Nesta sexta-feira (27.03), ocorre Dia de Campo sobre Cultivo e Produção de Erva-mate, em Mata, na região de abrangência da Emater-RS/Ascar regional de Santa Maria. As atividades se dividem em três partes. A primeira será no Salão do Museu Municipal, e terá palestra sobre políticas públicas e cenário atual da Erva-mate. A segunda parte será desenvolvida na propriedade rural de Marcos Pinheiro com trabalho em duas estações. E à tarde terá a terceira parte na propriedade de Claudemir Santo Pierini, com mais quatro estações. O evento é organizado pela Emater/RS-Ascar, Coomat, prefeitura e STR/Fetag, com o apoio do Sicredi.

A primeira propriedade a ser visitada, a de Marcos Pinheiro, localizada nas proximidades da cidade de Mata, fez a implantação da cultura no mês de maio de 2014. No local, está se desenvolvendo uma técnica de plantio muito recomendada pelos técnicos, em ambiente de muito bom sombreamento requerido pela erva-mate. ?Essa propriedade é um exemplo pelo recurso de sombreamento existente, resultando em um bom desenvolvimento inicial, com o cultivo da caa rari, cultivar desenvolvida pela Epagri e Embrapa, que não pode ser plantada a céu aberto. No mês de agosto será a primeira poda de formação, o que vai gerar um pouco de matéria prima?.

A segunda propriedade, a de Claudemir Santo Pierini, é uma área plantada no ano de 2011, onde já foi feita a poda de formação e conta com um bom desenvolvimento. Também já foi feita a primeira colheita comercial, e esse ano irá para a segunda colheita.

?O que pode se destacar dessa propriedade, é que teve bastante cobertura de solo e teve cuidados com irrigação no ano de implantação, que foi um ano de estiagem. O produtor obteve sucesso na pega e no desenvolvimento das mudas da Cambona 4, a primeira cultivar que nós começamos a trabalhar,?, explica Deponti.

Região Central
Na região Central do estado, a produção está em fase inicial, e conta com cerca de 20 hectares de plantio, nas cidades de Mata, Toropi, São Pedro do Sul e Capão do Cipó. Para Deponti, quando a cultura atingir a faixa de 20 a 30 hectares em produção na região próxima a São Pedro do Sul, haverá possibilidade da Cooperativa Mista dos Agricultores de Toropi Ltda. (Coomat), uma das parceiras do Dia de Campo em Mata, instalar uma unidade de processamento, ou seja de produção erva-mate.

O mercado de erva-mate ganhou impulsão após o aumento do preço do produto nas prateleiras. De acordo com o supervisor do escritório regional da Emater-RS/Ascar de Santa Maria, engenheiro florestal Gilmar Deponti, em anos anteriores houve escassez de matéria-prima, e, ao mesmo tempo em que valorizou o preço pago ao produtor, causou um aumento de preço que o consumidor paga no produto final.

Gilmar aponta que ?a remuneração da cultura da erva-mate estava muito baixa, hoje já é possível atingir uma faixa de seis mil a oito mil reais por hectare ano. Essa explosão de preço que teve tanto da matéria prima quanto do produto final erva-mate, também fez com que os produtores voltassem a fazer investimentos na cultura de erva-mate e, principalmente, ter mais remuneração?, avalia Deponti.

De acordo com o supervisor, o que se procura é orientar os produtores sobre a implantação de novas áreas de erva-mate. ?Nossa orientação é de que haja se considere muito bem no mercado, ou seja, entrosados, dentro de um processo de comercialização como o que está sendo trabalhado junto com a Coomat, que vislumbra a instalação de uma agroindústria.?

Na região, onde as áreas plantadas são recentes e as mais velhas foram plantadas em torno de 3 anos, a produção ainda é pequena, está em fase inicial. A cultura atinge índices satisfatórios de produtividade no quinto ou sexto ano de plantio. Depois, essa produtividade se mantém estável. A planta tem uma longevidade grande e é uma cultura perene.

?A expectativa de produção dessas áreas, em plena produção quando a planta atingir a produtividade adequada para a cultura é a de que se alcance de 8 a 10 toneladas por hectare no período de corte a cada 18 meses, em torno de um ano e meio?, diz Deponti.

Conforme Deponti, o cultivo é na forma de consórcio, ou seja, associado ao cultivo agrícola e associado ao cultivo de árvores frutíferas, e também espécies florestais para a produção de madeira.

?Do ponto de vista de necessidade do produtor tirar o retorno, enquanto o ele está esperando a erva-mate se desenvolver na área, está cultivando outras culturas agrícolas, muitas vezes de ciclo anual como soja, milho, feijão, amendoim, mandioca. E produzindo anualmente neste mesmo espaço, enquanto a planta da erva-mate vai se desenvolvendo?.

Fonte: Emater – RS