Manejo

Cuidados adequados garantem boa produção de mel

O sucesso da apicultura está no tripé “florada, manejo adequado e localização das colméias”. Uma boa florada é fundamental porque é onde as abelhas retiram o pólen e o néctar para a produção do mel. A análise é de José Catarino Mendes, coordenador da cadeia produtiva da apicultura do Programa de Desenvolvimento Regional (MT Regional) e membro do comitê do Congresso Brasileiro de Apicultura, que neste ano será realizado em Cuiabá, no Centro de Eventos do Pantanal, de 19 a 22 de maio.

Ainda segundo o coordenador, o manejo adequado envolve a troca de rainhas, da cera e preparação dos enxames para ter quantidade suficiente de abelhas para a época da florada. Já a localização das abelhas está diretamente ligada ao custo de produção. Isto é, deve-se ter uma colméia para cada quilômetro percorrido pelo apicultor para a retirada do mel.

“Se, por exemplo, sou obrigado a deslocar 100 km para colher o produto, necessito de, no mínimo, 100 colméias para que minha produção compense os custos”, explica José.

Segundo Catarino, que também é apicultor, um quarto fator é fundamental: a vocação para a atividade. “É preciso ser um apaixonado, o que não é muito difícil, porque onde há abelha não há fogo, desmatamento e nem inseticida”, garante.

Sobre as floradas, ele explica que cada região tem um determinado vegetal que sobressai. No caso do Pantanal, onde estão localizadas suas colméias, ele utiliza o cambará, enquanto em outras regiões há o cipó-uva, cuja florada é longa, durando entre 30 e 40 dias.

“No caso da agricultura, o girassol é muito bom, produz muito pólen”, diz Catarino, explicando que plantas como o pinhão manso e o eucalipto também resultam em uma boa florada.

Ele diz ainda que o apicultor deva trabalhar como as abelhas, ou seja, unidos, forma associada ou cooperativada. “Como a maioria é produtor de pequena propriedade, trabalhar isolado fica muito complicado, porque o investimento é alto e o retorno, demorado”, assinala Catarino.

Embora o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) tenham registrado, em 2008, uma produção de quase 500 toneladas em Mato Grosso, nem toda produção é computada pelo MT Regional. “Sabemos que na região do Araguaia há muitos apicultores, mas geralmente essa produção é escoada por Goiás ou Tocantins, o que nos impede de ter acesso a estes dados”, diz José Catarino.

Pelos seus números, a produção mato-grossense em 2009 foi de 316 toneladas, extraídas em 12,5 mil colméias de 1,2 mil apicultores. A produtividade média estadual é de 25 kg por colméia, mas há casos, como em Santa Carmem, no Médio Norte mato-grossense, em que este número alcançou 60 kg por colméia.

José Catarino acredita que a realização do Congresso em Cuiabá vai propiciar um grande salto da atividade em Mato Grosso. “Após este evento, passaremos a ver a apicultura com outros olhos, até porque, caso contrário, apicultores não mato-grossenses virão para cá e tomarão nosso lugar, porque a nossa florada é excelente”, alerta.

O 18º Congresso Brasileiro de Apicultura é organizado pela Federação Mato-grossense de Apicultura (Feapismat), Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), Governo de Mato Grosso e Sebrae.

 

Fonte: http://www.agrocim.com.br/noticia/Cuidados-adequados-garantem-boa-producao-de-mel.html