Copagril e Astrea, um projeto para o futuro

16/01/2015

Cerca de três anos depois de iniciarem as discussões acerca do projeto, foi inaugurada ontem (15), às 18 horas, a Indústria de Farinha e Gordura Animal Astrea/Copagril, em uma solenidade marcada pela emoção.

Participaram do evento diversas autoridades políticas e ambientais, como o prefeito de Marechal Cândido Rondon, Moacir Froelich, o diretor-geral da Itaipu, Jorge Samek, a chefe do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Maria Glória Pozzobon, representando o Ministério da Agricultura, Emerson Luiz Dal Bem, o superintendente federal da agricultura no Paraná, Gil Bueno de Magalhães, o diretor-presidente da Frimesa e diretor vice-presidente da Ocepar, Valter Vanzela, o superintendente de Energias Renováveis da Itaipu, Cicero Bley Jr., e o diretor-geral do Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás-ER), Rodrigo Regis de Almeida Galvão.

Parceria para Durar

O diretor-presidente da Copagril, Ricardo Sílvio Chapla, destacou a parceria e a relação de confiança entre a Copagril e a Astrea e afirmou que a indústria será um modelo para todo o país e até no exterior.

O presidente da Astrea, William Wattie, ressaltou a tecnologia empregada na fábrica, que é uma das mais modernas e a primeira do país nestes moldes. “Um empreendimento não pode ser bom somente para quem está envolvido, ele tem que ser bom para todos, para o meio ambiente, promover o desenvolvimento profissional e gerar empregos”, declarou. O gerente da Astrea, Jair Thomas, parabenizou os funcionários que construíram a indústria e os que irão tocá-la daqui pra frente, agradecendo pelo esforço e o envolvimento de todos e a compreensão dos familiares.

O prefeito de Marechal, Moacir Froehlich, parabenizou a Copagril pela coragem em empreender, tanto pelo projeto avícola quanto pela nova indústria e afirmou que os comerciantes próximos já estão sentindo a diferença em relação a diminuição dos odores emitidos.

Para finalizar, Jorge Samek, diretor da Itaipu, destacou os avanços e os investimentos da região oeste do Paraná, muitos incentivados pela Copagril. “Se um historiador escrevesse a história de desenvolvimento da região, teria que gastar páginas e mais páginas descrevendo os feitos e a importância da Copagril”, afirmou. Samek também declarou que é um prazer, para a Itaipu, se envolver em ações que promovam a preservação ambiental.

A indústria

O novo empreendimento, localizado na Unidade Industrial de Aves (UIA) da Copagril, tem capacidade de processar vísceras, sangue e penas de 340 mil frangos por dia. O material será transformado em farinhas e gorduras, que serão usadas pela Copagril na fabricação de rações. Desta forma, todo o processo industrial do frango será feito sem descartar nenhuma parte do animal.

Além de ser por si só uma ação ambiental, visto que recicla resíduos, a nova indústria foi construída para aproveitar ventilação e luz natural e, com a tecnologia empregada, gasta menos energia, emite menos vapor e praticamente elimina odores. Ao separar a gordura e outros resíduos da água resultante do abatedouro de frangos, também facilitará o tratamento desta água, antes de devolvê-la a natureza.

Biogás

Durante a inauguração, a Copagril, a Itaipu, a prefeitura e a cooperativa Cooperbiogás, do Condomínio Ajuricaba, de Marechal, aproveitaram para assinar o termo de compromisso de um projeto que visa o aproveitamento do biogás por parte da Unidade Industrial de Aves da Copagril.

O documento também prevê a troca de informações entre as partes, com o objetivo de desenvolver a cadeia de biogás, aproveitando a grande quantidade de resíduos orgânicos gerada na região.

Fonte: Copagril