Pecuária

Cooperativas de leite estão entre as mais competitivas

Cuiabá (26/1) – O leite é a principal atividade econômica para 5,8 mil propriedades organizadas no sistema cooperativo de Mato Grosso e responsável por 35% do leite formal industrializado no estado. Diagnóstico da cadeia produtiva do leite realizado pelo Sistema OCB/MT e pelo Diagnóstico da Cadeia do Leite de Mato Grosso-2012 – realizado em parceria com o Sistema Famato/Senar e Sistema OCB/MT demonstra que a média de produção é de 100 litros/dia por cooperado.

“Mas podemos chegar a uma média de 300 litros/dia, eliminando, por exemplo, a sazonalidade da produção, que atualmente chega a 60%, em conjunto com outras ações”, disse o analista de desenvolvimento do Sistema OCB/MT, Mauro Machado Vieira.

Foi constado no diagnóstico de que 90% dos cooperados convivem com vários fatores limitantes para o bom desempenho da atividade, tais como: baixa produção e produtividade, baixa qualidade e grande sazonalidade de produção, devidos principalmente por falta de profissionalização, gerenciamento da atividade e carência de assistência técnica especializada.

Para aumentar a produção de leite nas cooperativas, o Sistema OCB/MT deu início em 2014 ao Programa leite a Pasto, que é parte integrante do Programa de Desenvolvimento de Conhecimento Estratégico da Cadeia do Leite em Cooperativas de Laticínios do Estado de Mato Grosso, que tem como objetivos promover o conhecimento, desenvolver estratégias e ações para enfrentar os desafios impostos pelos mercados globalizados, promovendo o crescimento mútuo dos cooperados e cooperativas do ramo agro familiar.

O Programa foi implantado inicialmente em 3 cooperativas de leite, que estão entre as mais importantes, que são a Coopnoroeste, no município de Araputanga, Coopernova, em Terra Nova do Norte e Campileite, em Campinápolis. Nos dez módulos realizados, estiveram presentes 890 participantes, entre técnicos, cooperados e gestores.

O Programa terá duração de quatro anos e os resultados iniciais deste trabalho serão obtidos no final do ano. “O primeiro ano do Programa Leite a Pasto foi positivo e o trabalho continua forte, pois diante deste cenário cada vez mais competitivo é necessário agregar gestão profissional às propriedades permitindo adequações a sua expectativa de crescimento e ao cooperado o desenvolvimento da consciência cooperativa, comprometimento, fidelização, adoção de gestão e tecnologia, renda e maior participação no processo de governança”, disse Mauro Machado.

Fonte: Assimp Sistema OCB/MT