Produtivo

Condições naturais e boas práticas de manejo colocam produtores de São Gotardo (MG) em destaque

10/07/15

Soluções de alta tecnologia que contribuem para o sucesso da região são apresentadas pela Alltech Crop Science na Fenacampo 2015

Clima, solo e relevo favoráveis aliados a boas práticas de manejo fazem de São Gotardo (MG) referência no cultivo de hortifruti no Brasil. A história de sucesso teve início em 1973, com o Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba (Padap), que possibilitou a dezenas de famílias tornarem o Cerrado mineiro agricultável. Com destaque na produção de alimentos como cenoura, abacate, alho, cebola, batata, café e cereais, São Gotardo atende a altas exigências de exportação, distribuindo produtos para diversas regiões nacionais e estrangeiras.

A produtora Silvia Suzuki Nishikawa, do Grupo TRI ‘S’, é uma das integrantes do programa. Segundo Silvia, o feito se deve, principalmente, à adoção pioneira de tecnologias para conservação, prevenção e manejo nutricional do solo. “Esse é o bem que ele vai deixar para as próximas gerações. Plantar com sustentabilidade, sobretudo utilizando produtos de ponta, faz toda a diferença”, conta.

Ao todo, o Padap soma uma área de 60 mil hectares. Em termos de produtor individual, o Grupo TRI ‘S’ possui uma das maiores extensões, com cerca de 4,5 mil hectares. Silvia explica que a produção depende, além de fatores exógenos, do manejo nutricional adequado para cada fase do ciclo das culturas. “Trabalhamos de forma preventiva para a conservação do solo e, por isso, decidimos usar os produtos da Alltech Crop Science. Assim, melhoramos a estrutura microbiológica do solo e conseguimos plantas mais robustas e viçosas, apresentando um diferencial e agregando valor ao produto final”.

De acordo com o engenheiro agrônomo Fábio Ferreira, gerente de hortifruti da Alltech Crop Science, a maioria dos produtores de São Gotardo já aderiu à ideia de produzir alimentos de qualidade com o mínimo possível de agrotóxicos. “A cada 100 produtores locais, 95 estão conscientes da necessidade de utilizar produtos naturais e sustentáveis”, observa.

O trabalho de assistência técnica da empresa na região começou há oito anos. Na época, problemas com solos biologicamente degradados por uso intensivo ao longo dos anos eram frequentes. “Realizamos um acompanhamento no campo e conseguimos entender as necessidades para melhorar essas questões. Hoje, fazemos visitas semanais às fazendas para escutar o trabalhador rural”.

 

Agrolink com informações de assessoria