Tire suas Duvidas

Como antecipar a compra de fertilizantes para garantir um bom negócio?

24/07/2018

A safra 2018/19 vai exigir do produtor rural muito critério na hora de comprar os fertilizantes para cultivar os campos. Frente a um cenário que acaba pressionando os preços dos produtos, o trocadilho “custo-benefício” virou palavra de ordem dentro da porteira. “Como este ano tivemos situações como, por exemplo, a questão do frete, a greve dos caminhoneiros e o aumento do dólar, quanto antes o produtor comprar e garantir o produto para sua lavoura, melhor. Assim, poderá encontrar uma negociação diferenciada. A tendência é que, quanto mais perto do plantio, a demanda aumente e o preço do frete fique mais caro”, destaca Marcelo Fortunato, diretor comercial da SulGesso, empresa líder no fornecimento de sulfato de cálcio no sul do Brasil.

Atentos ao mercado e de olho no preço das cotações da soja, alguns produtores do Rio Grande do Sul já estão aproveitando para antecipar a compra de fertilizantes. A demanda ficou tão aquecida, que a SulGesso irá organizar uma rodada de negócios em Júlio de Castilhos, região central do estado, nos dias – 24, 25, e 26 de julho -, para atender os produtores que querem antecipar a compra do fertilizante. “O produtor está consciente que vale a pena antecipar a compra dos insumos e nós pretendemos oferecer nessa rodada de negócios além de preços diferenciados e especiais, muita informação e orientação para turbinar o solo e auxiliar no aumento da produtividade da lavoura”, destaca o diretor da SulGesso.

Outra dica importante para garantir um bom negócio na hora de comprar o fertilizante e obter um melhor aproveitamento do produto está na análise do solo, como orienta o engenheiro-agrônomo e diretor técnico da SulGesso, Eduardo Silva e Silva. “O produtor tem que começar coletando a amostra de solo e solicitando uma análise completa (química e física), assim ele terá um panorama completo da fertilidade atual do solo, o que permitirá o planejamento do manejo com antecedência e melhor aproveitamento dos recursos”.

Fonte: Agrolink