Custo de Produção

Como a elasticidade afeta o mercado de café – Por Luiz Moricochi

Em reuniões técnicas ouve-se com certa  freqüência a expressão “o café é bebida de demanda inelástica”. Como essa característica do café  afeta  seu mercado?

Não vamos teorizar sobre esse assunto, pois foge  ao escopo deste artigo. Apenas gostaria de dizer que em economia quando se fala em elasticidade preço de demanda está se referindo à divisão de duas variações percentuais: variação percentual de quantidade compradas de um produto, pela variação  correspondente nos preços.  Conforme o número obtido nessa divisão – que  recebe o nome de coeficiente de elasticidade preço de demanda –   se diz que um produto é de demanda elástica ou inelástica. Para o café o coeficiente encontrado pela FGV em recente estudo foi de 0,67.

Mas do ponto de vista prático (é o que nos interessa), quando se tem uma cesta de produtos e os mesmo são submetidos á mesma variação de preços ( 10%, por exemplo), podemos dizer:  aqueles produtos que responderem com uma menor variação no consumo são  de demanda inelástica (ou menos elástica); aqueles  que, nas mesmas condições apresentarem maior variação no consumo são de demanda elástica.

O preço que o consumidor está disposto a pagar por um bem ou produto depende de uma série de fatores,  entre as quais:

a)  quantidade de dinheiro disponível;
b)  sua importância  para atendimento de necessidades;
c)  existência ou não de produtos substitutos;
c) sua representatividade no orçamento familiar em termos de gastos e
d)  quantidade disponível do produto no mercado.

Pode-se deduzir pois que a importância  que os produtos têm para o consumidor é relativa, ou seja, varia de pessoa para pessoa.  O cigarro, por exemplo,  é “importante”para algumas pessoas, apesar de extremamente prejudicial à saúde.

O café se enquadra também  no grupo de produtos de demanda inelástica . O coeficiente  de 0,67 encontrado,  significa que  quando ha aumento de 1% no  seu preço a quantidade consumida cai em proporção menor (a esse aumento), ou seja, apenas 0,67 %. Isto acontece,  porque o consumidor faz de tudo para continuar satisfazendo seu habito  de tomar café.  Também  o cigarro é  produto típico de demanda inelástica; é sabendo disso que o governo taxa o produto o quanto pode, com a certeza de não quebrar a indústria.

No caso do café, esse “vício” ( no bom sentido),  tem também   seu lado negativo, ou seja, mesmo sendo habituado a bebida, o consumidor não vai beber mais , (diferente da carne bovina, cujo consumo aumenta com a queda de preço) só porque o preço caiu muito, como resultado de um  eventual excesso de produção . Esse atributo tem muito a ver com a estabilidade de renda do produtor, podendo-se se afirmar que quando há excesso de café, o preço cai mais do que deveria cair e quando há escassez o preço sobe mais do que deveria subir. O produtor devia gravar  isso em sua mente como se fosse uma lei da cafeicultura, para não cair em armadilhas de preços. Isso pode acontecer também com outros produtos, mas,  é mais problemático  quando se trata de produto de demanda inelástica como o café.  Muitos ainda se lembram do que aconteceu no início de 1986:  devido a uma grande seca  ocorrida no final do ano de 85, os preços  atingiram  US$ 400/saca, causando grande euforia  na época (com apenas uma saca de café comprava-se um hectare de terra em algumas regiões cafeeiras). Esse  alto preço,  por outro lado, provocou excesso de produção, derrubando os preços  para US$ 40 em 1992. Foi uma quebradeira geral resultando em mais um milhão de hectares  erradicados. Esse  preços exagerados (dois extremos) ocorreram  por culpa principalmente da demanda inelástica ( também houve especulação)

Para terminar, qual a implicação desse atributo neste contexto de  crise  mundial?  Com o desemprego e queda geral de renda, tudo se passa como se ocorresse na prática  um aumento de preços de café.  Entretanto como o consumo  pesa pouco no   orçamento familiar,  dificilmente o consumidor vai abrir mão de seu habito de  tomar café.   Essa é a principal razão  pela qual  alguns analistas (entre os quais nos incluímos) já acreditavam que o efeito   da crise seria  menor quando comparado com o  impacto sobre o mercado de outras commodities É claro  que  há segmentos afetados, como o de cafés especiais  –  em que se paga mais de R$12,00/ tacinha, em redes famosas de varejo no país – mas esse segmento não representa nem 10% do consumo mundial  de 130 milhões de sacas anuais. Poderá também ocorrer menor consumo de café solúvel na Rússia, Alemanha, USA e outros países mais atingidos pela crise. Mas o consumo global deverá seguir com tendência crescente, embora à taxas inferiores a que vinha se observando antes crise.

Luiz Moricochi, eng. agr. pós graduado em economia (USP) e associado da Cocapec.

Fonte:

http://sincal.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=634:artigo-como-a-elasticidade-afeta-o-mercado-de-cafe-por-luiz-moricochi&catid=5:cafe-artigos&Itemid=37