Milho

Commodities / agrícola

Máxima em 14 anos As cotações do café voltaram ao maior patamar em 14 anos na bolsa de Nova York na sexta-feira, diante do apetite dos fundos de investimentos e também impulsionados por um movimento de rolagem de posições. Conforme a agência Dow Jones Newswires, as atenções dos traders estiveram novamente concentradas na próxima safra brasileira, sobre a qual ainda pairam incertezas. Devido à conjunção altista, os contratos com vencimento em julho fecharam a US$ 2,9110 por libra-peso, em alta de 595 pontos em relação à véspera. No mercado interno, a saca de 60,5 quilos do café de boa qualidade da safra 2010/11 ficou entre R$ 520 e R$ 530, conforme o Escritório Carvalhaes, de Santos. O mercado físico permaneceu estável, com as ofertas decepcionando as demandas.

Teto em cinco semanas As cotações do suco de laranja foram beneficiadas por um movimento de compras de contratos de “soft commodities” liderado por fundos de investimentos e subiram na sexta-feira na bolsa de Nova York. Influenciados pelo mesmo movimento, café e cacau também subiram. Os contratos do suco com vencimento em julho encerraram a semana passada negociados a US$ 1,6740 por libra-peso, ganho de 120 pontos em relação à véspera. De acordo com a agência Dow Jones Newswires, é o maior patamar de negociações em cinco semanas, mas durante o pregão os preços chegaram a testar o maior nível desde maio do ano passado. Em São Paulo, a indicação do Cepea/Esalq para a caixa de 40,8 quilos da laranja destinada às indústrias de suco no mercado spot seguiu em R$ 15.

Realização de lucros Um movimento de realização de lucros motivou a queda das cotações do milho na sexta-feira na bolsa de Chicago. os contratos com vencimento encerraram a sessão a US$ 7,4950 por bushel, em baixa de 11,50 centavos de dólar. Para os contratos futuros mais próximos, referentes à produção do ciclo 2010/11 – nos EUA o plantio da safra 2011/12 ganhará força no próximo mês -, é o menor patamar em duas semanas. Traders destacaram, também, que a inflação na China é uma preocupação cada vez maior, já que poderá levar o governo do país a adotar novas medidas para frear o acelerado crescimento econômico. No Paraná, a saca de 60 quilos saiu, em média, a R$ 24,24, conforme o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado.

Ganhos nos EUA Como as cotações do milho seguem em patamar elevado na bolsa de Chicago mesmo depois da queda de sexta-feira, a expectativa de que aumente a demanda por trigo para a produção de ração – ambos podem ser considerados “concorrentes” para esse fim – elevou as cotações do cereal na sexta-feira. Em Chicago, os contratos com vencimento em julho encerraram a semana negociados a US$ 7,80 por bushel, em alta de 3,75 centavos de dólar por libra-peso; na bolsa de Kansas, o mesmo vencimento subiu 1,75 centavo de dólar e fechou a US$ 8,76 por bushel. No Paraná, a saca de 60 quilos permaneceu, em média, a R$ 27,05, de acordo com informações do Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria da Agricultura do Estado.

(Valor Econômico – SÃO PAULO – (SP) – 18/04/2011 – Commodities Agrícolas)

Fonte: http://www.abramilho.org.br/noticias.php?cod=1482