Pecuária

Comissão de Pecuária Zebuína Leiteira está nos planos do candidato Frederico Cunha Mendes

06/04/2016

Candidato da situação nas próximas eleições da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), entidade que congrega milhares de zebuinocultores em todo o país, Frederico Cunha Mendes também contempla em seu plano de governo propostas específicas para a pecuária zebuína leiteira.

A principal delas é criar dentro da ABCZ uma comissão especial para discutir as demandas do setor. A composição envolveria técnicos, criadores, membros da associação e também de entidades promocionais.  Tal iniciativa beneficiaria o mercado nacionalmente, pela influência política exercida pela entidade. E o momento não poderia ser mais oportuno.

O Brasil é o quinto maior produtor mundial da matéria-prima, atrás de União Europeia, Índia, Estados Unidos e China, com cerca de 35 bilhões de litros/ano, segundo estatísticas do IBGE, em 2014. “A rusticidade do zebu permite uma produção economicamente mais vantajosa, a pasto, necessitando de suplementação apenas nos períodos mais críticos do ano. Nossa proposta é dar todo suporte necessário para que os produtores lucrem mais com a atividade, seja através do melhoramento genético com a participação dos produtores no PMGZ Mais Leite ou mesmo defendendo os interesses da classe no Congresso Nacional”, diz o candidato.

Ao representar as sete raças zebuínas de corte e de leite que compõem mais de 85% do rebanho bovino nacional, a ABCZ passou a ser conselheira intermitente na construção de políticas públicas que envolvem o setor pecuário, com cadeiras na CNA, Câmara Setorial da Carne Bovina (MAPA) e no Instituto Pensar Agro. “Como não acreditamos em soluções individuais, esse trabalho é executado em conjunto com outras associações e entidades de classe”, acrescenta Fred, Diretor de TI na gestão vigente.

Outros pilares ao zebu leiteiro

Nos últimos dois anos, Fred Mendes provocou mudanças significativas no Programa de Melhoramento Genético das Raças Zebuínas (PMGZ), o maior do gênero no país, com mais de 12 milhões de animais avaliados (corte e leite). No que diz respeito à zebuinocultura leiteira, ele pretende incorporar medições morfométricas, como o ângulo dos cascos, do jarrete e o posicionamento dos tetos, que impactam diretamente na produtividade do animal. “Já estamos capacitando nossos técnicos que cuidam do controle leiteiro para converter essas medidas em DEPs capazes de auxiliar os criadores nos acasalamentos. A acurácia desses índices também seria aumentada com ajuda da genômica, outro projeto já em andamento”, detalha.

Outra proposta é ampliar e incentivar ações relacionadas ao Torneio de Leite Natural, que reproduz as condições da fazenda, quase sem artificialismos, colocando à prova a capacidade produtiva do gado. Uma parte da “Estância Orestinho”, localizada a 7 km do Parque Fernando Costa, passa por adaptação em sua estrutura para receber o concurso.

Por fim, mudanças no formato do controle leiteiro, inclusive em relação às cobranças, também estão previstas. “Estudamos possíveis descontos e mudanças no modelo de pagamento, que poderá ser mensal, ao invés de ser por visita. Este projeto reforça um dos pilares principais da campanha: a de reduzir custos aos associados onde for possível”, finaliza Fred.

Fonte: Agrolink