Trigo

Combate à formiga cortadeira é intensificado no Noroeste do Paraná

13/11/14 – 10:11
A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento começou nesta semana intensificar o combate às formigas cortadeiras, que vêm causando muitos prejuízos no Noroeste do Paraná. As operações de combate estão se concentrando em período de revoada (acasalamento), dos insetos, numa ação coletiva, integrada e organizada entre propriedades vizinhas, com redução de uso de produtos químicos.

Esta forma de combate atende aos princípios do programa Plante Seu Futuro, que preconiza uma agricultura mais sustentável com redução do uso de produtos químicos. No caso de combate à formiga o uso de produtos químicos, muitas vezes, ajudam a aumentar a resistência dos insetos.

Em Cianorte 25 propriedades rurais, com total de 1.200 hectares, foram cadastradas e georreferenciadas para acompanhamento integral pelos técnicos da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Emater e prefeitura municipal.

Essas propriedades servirão como unidades de referência para avaliações técnicas e programas de extensão rural. Cada propriedade rural recebeu, através de uma placa a ser fixada na entrada, um selo de certificação de propriedade que combate formigas cortadeiras. Até maio de 2015, os resultados obtidos serão avaliados e divulgados para discussão técnica.

INFESTAÇÃO E PREJUÍZO – A última estimativa oficial realizada pela Emater, feita em 2003, mostrava que a infestação de formigas cortadeiras atingia cerca de 52 mil hectares na região. Os técnicos avaliam que desde esse período, a extensão de áreas infestadas tenha se multiplicado várias vezes, atingindo hoje cerca de 300 mil hectares.

O chefe do núcleo da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento em Cianorte, Francisco Cascardo Neto, explica que, para se ter ideia dos prejuízos causados nas pastagens, um sauveiro (ninho das formigas) consome cerca de 20 a 25 quilos de massa verde por dia, o equivalente ao consumo de um bovino.

Em florestas plantadas, apenas um sauveiro adulto é capaz de cortar uma tonelada de folhas verdes por ano. Nas plantações de cana-de-açúcar pode provocar a perda de 3,2 toneladas de cana por safra.

COMBATE – A operação de combate das formigas baseia-se principalmente na organização dos produtores para enfrentar o problema. Isso porque desde o mês de outubro ocorre o fenômeno chamado de revoada, quando fêmeas e machos saem do formigueiro para acasalar, durante um voo, que pode chegar a 10 quilômetros, formando novos formigueiros.

Dessa forma, um combate isolado não apresenta nenhuma efetividade. “Se as propriedades próximas não realizarem o controle, o produtor que o fez e sua propriedade terá infestação vinda dos vizinhos novamente, daí a necessidade ações integradas e conjuntas na região”, explicou Cascardo.

O combate se dá através do uso de iscas formicidas, um granulado, em forma de péletes, que simulam alimento e que as operárias levam para dentro do formigueiro, onde tem sua ação.

O combate é feito, também, por meio de termonebulização (método químico). Nesse caso, é utilizada uma calda inseticida que se transforma em fumaça e é injetada dentro dos formigueiros através de um aparelho chamado termonebulizador.

Outra ferramenta para a redução da população de formigas está no manejo integrado, por meio de práticas como monitoramento de população, aplicação de produtos em dosagens, quantidade e épocas corretas; técnicas culturais como preparo correto do solo, manejo correto das culturas, manutenção dos inimigos naturais e outras.

Monitoramento – Os técnicos da Secretaria da Agricultura, da Emater e da prefeitura de Cianorte passam a partir de agora a acompanhar e monitorar cada uma destas 25 propriedades.

Todas essas práticas foram repassadas, via treinamento a outros produtores em dia de campo realizado na propriedade do agricultor Domingos Vela, em Cianorte.

O próximo passo será aplicar a mesma estratégia de combate integrado com acompanhamento técnico e avaliação, em outros municípios.

Jussara e Cidade Gaúcha, também no Noroeste, já estão com os trabalhos avançados e na expectativa que, ainda este ano, sejam montadas as unidades de referência.

A campanha de combate contra formigas cortadeiras faz parte do programa Plante Seu Futuro e conta com um comitê gestor composto por representantes da Associação Comercial de Cianorte, Secretaria da Agricultura, Emater, Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Usina Santa Terezinha, sindicatos patronal e dos trabalhadores de Cianorte, Cooperativa de Assistência Técnica, prefeitura de Cianorte, Instituto Agronômico do Paraná e Instituto Ambiental do Paraná.