Catálogos técnicos e de produtos

CNA e Embrapa discutem projeto de forrageiras resistentes à seca para o semiárido

Publicado em 26/01/2017

Brasília (26/01/2017) – O projeto “Seleção, Adaptação e Desenvolvimento de Plantas Forrageiras Tolerantes à Seca e Uso Racional no Semiárido Brasileiro” foi apresentado, na quarta (25), em uma reunião realizada na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Resultado de uma parceria entre o Sistema CNA/SENAR/ICNA e a Embrapa, o projeto prevê uma série de ações que irão permitir o desenvolvimento, por meio de pesquisas, de forrageiras resistentes à seca e sua implantação no semiárido do Nordeste e no Norte de Minas Gerais.

O presidente da CNA, João Martins, afirmou que a parceria surgiu da necessidade de se elaborar um plano para “desenvolver tecnologias que ajudem o produtor rural do semiárido”. Nos últimos cinco anos, a pecuária da região foi muito prejudicada pela estiagem, o que gerou a degradação das pastagens.

Segundo o diretor-geral da Embrapa Gado de Corte, Cleber Soares, a ideia é ter os primeiros resultados práticos das pesquisas em dois anos com a implantação das chamadas Unidades de Referência Tecnológicas (URTs) em 10 municípios de nove Estados.

“Queremos escolher, ainda no primeiro semestre, dez unidades de referência para que sirvam de projeto-piloto. O maior desafio da pecuária do Nordeste é a alimentação animal”, disse.

“Neste período de seca, precisamos de forrageiras resistentes à seca para que os produtores não percam seus rebanhos em função da falta de alimentação”, afirmou o presidente da Comissão Nacional da Região Nordeste da CNA e da Federação da Agricultura, Pecuária e Pesca do Rio Grande do Norte (FAERN), José Álvares Vieira.

Também participaram da reunião os presidentes das Federações de Agricultura e Pecuária dos Estados de Alagoas (FAEAL), Álvaro Arthur Almeida; Ceará (FAEC), Flávio Saboya; Paraíba (FAEPA), Mário Borba; Piauí (FAEPI), Carlos Augusto Melo Carneiro da Cunha; de Sergipe (FAESE), Ivan Sobral, além do vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais (FAEMG), Ricardo Laughton.

Fonte: CNA