Pecuária

CNA: classe média responderá por 30% do consumo total em 2011 (com slides da pesquisa)

Escrito porImprensa

Pesquisa detalhada sobre a classe C foi divulgada pela CNA, que encomendou ao Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE) um estudo para mapear as aspirações e sonhos dessa classe social que vai responder, em 2011, por 30% do consumo total do País, estimado em R$ 2,3 bilhões.

A partir dos dados obtidos com a pesquisa, a presidente da CNA explicou que será possível elaborar um planejamento geral e outro específico para a produção agropecuária, considerando, em especial, as preferências da classe C, que representa 55% da população do País. “Nós temos que conhecer os seus gostos, principalmente no que diz respeito aos alimentos, para que seja possível fazer uma agropecuária minimamente planejada”, afirmou a senadora Kátia Abreu.

Para a presidente da CNA, as políticas públicas precisam ser elaboradas para fortalecer a classe C em função do potencial de consumo desse segmento, característica que não é comum na classe A/B – que têm renda, mas não consegue consumir mais do que já consome – e na classe D/E, cujo consumo está estagnado.

Ao divulgar os dados da pesquisa, a senadora Kátia Abreu lembrou que 70% da produção agropecuária brasileira são consumidos no mercado interno. “Apesar de representar metade da população, o consumo na classe C está restrito a 30%. O consumo nessa classe tem potencial para crescer”, afirmou.

O estudo feito pelo IPESPE avaliou as características da classe média urbana e rural, mostrando que a classe C rural não está no mesmo nível de ascensão que a classe urbana. A senadora Kátia Abreu avaliou que, para reverter esse quadro, é preciso adotar instrumentos emergenciais.

Entre essas políticas, citou o novo modelo de política agrícola, elaborado pela CNA em parceria com o Governo federal, que será implementado a partir do ano que vem. O foco dessa política será garantir renda, fortalecendo e ampliando a classe C rural. “A meta é que mais produtores que estão na classe D e E possam ser incorporados ao modelo do agronegócio de sucesso”, explicou.

Fonte: CNA, adaptada pela Equipe BeefPoint.

http://www.agromundo.com.br/?p=23318