Soja

Clima frustra projeção

01/04/2014

Com mais de 95% da área plantada colhida em MT, Imea confirma perdas entre esperado e realizado

O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) confirmou perdas de produtividade na safra 2013/14 de soja, no Estado. Conforme o levantamento divulgado ontem, o ciclo atual fecha com perdas médias de 1,6 saca por hectare (ha). Ao invés das 54 sacas projetadas, o saldo estadual foi revisto para 52,4 sacas. A redução é resultado das fortes chuvas que caíram de maneira quase que ininterruptas sobre o Estado em fevereiro e início de março, justamente durante o pico da colheita, momento em que os trabalhos no campo são intensificados.

Por várias semanas sem poder entrar nas lavouras com as colheitadeiras, os produtores viram muitos grãos passarem do ponto ideal de retirada e assim perderem peso. Outro agravante imposto pelas chuvas foi o alto grau de umidade na soja e perdas de grãos por avarias, como consequências do clima adverso, do ataque de pragas como as lagartas helicoverpa e falsa-medideira e de doenças como a ferrugem asiática.

“O impacto sobre a produção veio por meio da queda sobre a produtividade, fato que já era aguardado por grande parte do mercado. Devido aos grandes reportes de chuvas ocorridas, sobretudo, em fevereiro, juntamente com perdas com ataques de pragas e doenças, a produtividade passou de 54 sc/ha previstas em fevereiro para 52,4 sacas/hectare. A queda de 1,6 sc/ha na média do Estado foi impactada, principalmente, devido às perdas sofridas nas regiões oeste e médio norte, que reduziram 2,9 sc/ha e 2,4 sc/ha, respectivamente, em relação à expectativa anterior”, explicam os analistas do Imea. Ainda conforme o relatório, em fevereiro a estimativa previa uma produção próxima a 26,88 milhões de toneladas no Estado. Na nova estimativa, a produção reduziu 727 mil toneladas, apresentando a nova oferta de 26,15 milhões de toneladas.

Como reforçam os analistas, na primeira quinzena de fevereiro, quando 36% da área da soja estava colhida, a produtividade ponderada apresentava-se 3,4% mais elevada, com média de 54,17 sc/ha no Estado. “O excesso de chuvas ocorrido a partir da segunda quinzena de fevereiro até o início de março afetou significativamente a produtividade da soja mato-grossense, que foi reduzida para médias próximas a 53 sc/ha. Outros fatores, como ferrugem e ataque de pragas, também reduziram ainda mais a produtividade média estadual, que, apesar de tudo, ainda apresenta desempenho suficiente para garantir uma produção recorde para o Estado nesta temporada”.

Colheita – Nesta virada do mês, a colheita da soja, em Mato Grosso, atingiu 95,8% de uma superfície de 8,32 milhões/ha. Somente alguns municípios da região médio norte – a maior produtora estadual de grãos – concluíram a colheita, como Lucas do Rio Verde, Sorriso, Ipiranga do Norte, Vera, Nova Ubiratã e Tapurah. Todos os outros estão com as máquinas no campo e os trabalhos entram pela primeira semana de abril. Em comparação com o mesmo período do ano passado, há um ligeiro atrasado de 0,7 pontos percentuais (p.p.).

Recorde – “Apesar do recuo com a produtividade, esta safra ainda será 10% superior à registrada na safra passada, sendo suficiente para garantir uma produção recorde na temporada 2013/14. Mesmo com queda, Mato Grosso ofertará cerca de 2,5 milhões de toneladas a mais que no ano passado, participando com cerca de 30% da produção nacional, segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)”.

Conforme o relatório do Imea, a área plantada cresceu sobre a projeção inicial, que era de 8,29 milhões/ha para 8,32 milhões, mas o clima foi determinante para o rendimento das lavouras. “A área cultivada cresceu, mas a produtividade final não correspondeu às expectativas geradas pelo nível de investimento tecnológico na safra, bem como com o pleno desenvolvimento observado durante o ciclo das plantas”.

Apesar de perdas entre o projetado e o realizado no Estado, os números finais se mostram superiores ao ano passado e Mato Grosso, mesmo com sérios problemas em decorrência das chuvas, fecha a safra 2013/14 com novo recorde, tanto de área como de produção e produtividade. O rendimento apontado atualmente, mesmo impactado pelo clima, supera a média passada de 50 sacas/ha e a produção, ultrapassa em 10% as mais de 23,66 milhões/t da safra passada. “Em janeiro, pelo visual que tínhamos das lavouras, chegou-se a acreditar em uma produtividade recorde, 56 sacas/ha, mas ficamos com saldo frustrante”, completa o gestor do Imea, Daniel Latorraca.

Fonte: Diário de Cuiabá
Autor: Marianna Peres