Milho

Clima favoreceu mercado de fungicidas na safra de milho verão 2016/17

13/04/2017

As boas condições climáticas durante o plantio e desenvolvimento devem resultar na expansão de rendimento de 20% por hectare na safra de milho verão 2016/17 em relação ao ano passado. É o que revela o Painel Amis Kleffmann Group Summer Corn 2016/17, que apontou ainda bons preços e facilidade de aquisição de financiamento como fatores que impulsionaram o aumento de área na base de 37% nas principais regiões produtoras do Brasil após quatro anos de retração.

Por outro lado, estas condições climáticas favoreceram o desenvolvimento de doenças fúngicas, principalmente a Ferrugem (Puccinia) e a Mancha foliar ou Fosféria (Phaeospheria maydis). De acordo com a Kleffmann, isso acabou resultando no aumento do mercado do segmento de fungicida, destacando-se o aumento de fungicidas foliares, que dobrou seu faturamento em relação a safra passada.

“Fungicidas a base de Estrubirulinas (puras ou em misturas prontas no caso estrubirulinas + triazóis, principalmente), se destacam representando 84% do mercado total de fungicidas. A aplicação de fungicidas a base de mancozebe já estão consolidadas nas aplicações em mistura, chamados de fungicidas ‘protetores’”, afirma a Consultoria.

De acordo com a pesquisa, ficou evidente também ascensão de híbridos que possuem tolerância à aplicação de herbicidas Glifosato (Híbridos RR), hoje representando 60% do volume comercializado. Segundo a Kleffmann, isso gerou também impactos diretos ao manejo do produtor, principalmente no tocante a plantas daninhas, apresentando o aumento da adoção de Herbicidas a base de Glifosato e de lagarticidas quando consideramos os híbridos resistentes a ataques de lagartas (Bt+RR).

“Destaca-se dentro do segmento de Inseticidas foliares e diminuição da adoção de lagarticidas na cultura, isso principalmente pelo aumento das áreas plantadas com híbridos que possuem resistência a lagartas (híbridos Bt), destacando novas Biotecnologias com controle mais efetivo a lagartas. O efeito da qualidade de controle dos híbridos Bt é o aumento de importância dos insetos sugadores, que fez com que os inseticidas de grupo químico dos neonicotinóides, principalmente em mistura com piretróides ganhassem importância no mercado total. Que hoje representou aproximadamente 24% do mercado total de inseticidas foliares”, comenta.

O painel aponta como destaque também a incidência da cigarrinha do milho (Daubulus maidis), vetor do fitoplasma de classe mollicutes que causa a planta de milho sintomas como o enfezamento, principalmente no Estado da Bahia e Minas Gerais, causando importantes perdas de produção. “Pode-se dizer que um dos fatores de aumento das pragas está relacionado ao milho voluntário, que proporciona a manutenção do inóculo”, conclui a Consutoria.

Fonte: Agrolink