Trigo

Clima favorece a bacteriose no final de ciclo da safra de trigo

27/09/2016

Temperaturas mais baixas, associadas a alta umidade relativa do ar e ao estádio fenológico da cultura, criaram o cenário perfeito para a bactéria. Doença atingiu principalmente lavouras de trigo no Paraná e Noroeste do RS

Para essa safra de trigo, as perspectivas são favoráveis quanto à produtividade e qualidade dos grãos. No entanto, assim como em todos os anos, produtores precisam conviver e controlar diariamente diversas doenças que atacam a cultura. Nesse ano, por exemplo, a ocorrência de chuvas por dias consecutivos e as baixas temperaturas registradas no mesmo período permitiram o desenvolvimento de bactérias a ponto de causar sintomas no trigo. Os relatos são principalmente das regiões Central, Oeste e Sudoeste do Paraná. No Noroeste do Rio Grande do Sul o aparecimento não foi tão abrangente, com casos mais específicos. Já no Sul do Paraná, Planalto Catarinense e nas regiões de Passo Fundo e Vacaria, no Rio Grande do Sul, não houve registros significativos da bacteriose.

A primeira ocorrência foi identificada no início de setembro, no Oeste e Sudoeste do Paraná, quando ocorreu um período com baixa da temperatura, que não passou dos 20°C, associado a chuvas e umidade relativa do ar acima de 90%. Conforme o fitopatologista da Biotrigo Genética, Paulo Kuhnem, essas condições climáticas, associadas ao estádio fenológico da cultura, criaram o cenário ideal para a bactéria. “Os sintomas de branqueamento observados nas folhas do trigo sugerem que o agente causal seja uma bactéria do gênero Pseudomonas, provavelmente P. syringae pv. syringae, porém outras espécies e patovares também podem ocorrer”. Este gênero de bactéria é considerado uma bactéria epífita, ou seja, convive no ambiente naturalmente, inclusive na folha do trigo. “A doença aparece quando ocorrem períodos de frio e chuva na fase de espigamento, que é a fase de maior suscetibilidade da cultura, raramente ocorrendo antes desta fase”, explica. A bactéria causa uma lesão esbranquiçada porque libera uma toxina que queima o tecido da planta de forma rápida. “Então, três a quatro dias nessas condições climáticas favorecem com que aquela bactéria que vive naturalmente na folha do trigo se multiplique rapidamente e consiga vencer as barreiras da planta, penetrar e causar o branqueamento”, alerta Kuhnem.

O que fazer?
Depois que apareceram os sintomas não há muito o que pode ser feito. O fitopatologista alerta que é preciso ter muito cuidado no uso de fungicidas, pois o metabolismo da planta baixa nesse período de frio e quando é aplicado um fungicida ela não consegue metabolizar adequadamente esse produto, o que acaba estressando a planta e podendo causar fitotoxicidade, que pode agravar o problema da bacteriose. “É difícil porque não temos um bactericida para aplicar e fazer o controle após infecção. Como há alguns anos o produtor não se deparava com a bacteriose, ele acaba se assustando, porém com o aparecimento de dias secos e ensolarados os sintomas não evoluem”, relata.

Outra orientação é evitar o adensamento das plantas para não prolongar o molhamento foliar. “Nas lavouras onde são colocadas muitas sementes, o adensamento de plantas mantém por muito mais tempo esse molhamento foliar, o que pode causar uma severidade maior da bacteriose”, orienta.

Lavouras onde houve ocorrência de outras doenças foliares, como de mancha amarela, apresentaram de modo geral uma maior intensidade da bacteriose. Outros fatores que também podem ter favorecido o aparecimento da bactéria são injurias causadas por adversidades climáticas como geadas, granizo ou locais onde há muito vento. Isso porque a bactéria, por si só, não consegue penetrar no tecido vegetal. Ela entra por aberturas naturais ou por estes ferimentos. “Os produtores podem notar a maior frequência dos sintomas na curvatura da folha, porque normalmente onde ela curva acaba causando microfissuras em que a bactéria pode penetrar, nesse ambiente de alta umidade”, explica.

Genética ainda é a melhor solução
Diante desse cenário, o diretor de negócios e melhorista da Biotrigo Genética, André Cunha Rosa, ressalta que, dentre as medidas de prevenção, a genética ainda é a única realmente efetiva. Embora o dano da bacteriose seja absolutamente superficial – diferentemente de ferrugem da folha e manchas foliares que afetam o metabolismo de forma mais ampla – e o dano, portanto, seja menor que o frequentemente esperado baseado em uma avaliação visual, é importante saber que há muita diferença entre cultivares para resistência a essa doença. “As cultivares TBIO Sossego, TBIO Iguaçu e TBIO Sintonia são as que raramente apresentam qualquer sintoma. TBIO Mestre e TBIO Sinuelo apresentaram níveis intermediários. Já TBIO Toruk e TBIO Tibagi apresentam sintomas com mais facilidade”, exemplifica. O ranking completo das cultivares Biotrigo para resistência a esta doença pode ser encontrado tanto em material de divulgação impresso, como no site da empresa (www.biotrigo.com.br). O melhorista considera importante frisar ainda que, com o passar dos anos, a previsão da empresa é que este problema se torne cada vez menos importante devido ao lançamento de mais cultivares resistentes ao problema.

Outras doenças
A grande parte das lavouras está começando a entrar em fase de espigamento e florescimento. Nesse período, a principal doença é a giberela, que afeta a qualidade e o rendimento de grãos. “Para manter essa boa qualidade de lavoura que nós temos até o momento, é preciso fazer uma aplicação de fungicida específica para tentar proteger o órgão aéreo, que é a flor, o sítio de infecção da giberela”, recomenda o fitopatologista.  O produtor deve ficar atento e aplicar o fungicida quando sua lavoura apresentar 50% do florescimento. De acordo com Kuhnem é preciso ficar de olho também nas condições climáticas da região para uma possível segunda aplicação de fungicida.

Lavouras do RS e PR
Segundo o informativo conjuntural da Emater/RS, divulgado nesta quinta-feira (22), as lavouras gaúchas de trigo encontram-se na fase de desenvolvimento vegetativo com 34%, em espigamento e floração, atingindo 40% da área. Com as baixas temperaturas, dias com alta luminosidade e curtos períodos com chuvas, a cultura avançou rapidamente para o estádio de granação, atingindo 25%, com 1% iniciando a maturação. O padrão de lavouras é muito bom, com excelente potencial produtivo.

Já no Paraná, conforme o boletim do Departamento de Economia Rural (Deral), divulgado no dia 20 de setembro, 22% do trigo semeado já foi colhido e quase 90% do total da área desta safra é considerado de boa qualidade. Em relação ao desenvolvimento, 54% encontra-se na fase de maturação, 28% em frutificação, 11% em floração e 7% em desenvolvimento vegetativo.

Fonte: Agrolink