Pecuária

Cavalos atletas da raça Quarto de Milha recebem tratamento vip em competições

12/08/2016

Os animais são acompanhados o tempo todo por profissionais de saúde e bem-estar animal

Você, com certeza, já disse ou ouviu alguém dizer que o cachorro é o melhor amigo do homem. Atuando como tratador de cavalos desde 1997, Adagildo dos Santos não compactua com a afirmação. “O melhor amigo do homem é o cavalo”, fala com muita convicção o sergipano que há 16 anos adotou Campo Grande, no Estado do Mato Grosso do Sul, como a sua segunda terra natal. Parceria e respeito são palavras que também explicam essa relação.

“Eu tenho prazer de dizer que sou tratador de cavalos”, enfatiza Jatobá, como é conhecido. Pertencendo a uma família de criadores de Quarto de Milha, Adagildo alimenta desde cedo essa paixão que virou um negócio lucrativo. Ele se especializou no treinamento de animais para provas e leilões, além de gerenciar uma central de reprodução. Todos os anos, em Campo Grande, prepara cavalos para o Potro do Futuro e o Campeonato Nacional de Laço Comprido.

Mais de mil cavalos participaram da 11ª edição das competições promovidas este mês pela Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ABQM), na capital sul-mato-grossense. Durante os quatro dias do evento, Leonardo Feitosa, juiz oficial de Bem-Estar Animal da ABQM, inspecionou manejo, baias, uso de equipamentos, treinamentos e alimentação, além de orientar tratadores e competidores sobre os cuidados essenciais com os cavalos atletas.

Segundo Jatobá, a presença de um juiz de Bem-Estar Animal em um recinto de provas é muito importante. “Para cada modalidade existe um tipo de ferrageamento. Para o conforto dos animais, as baias precisam estar sempre limpas, secas e macias. As principais refeições devem ser realizadas três vezes ao dia. Os equipamentos não podem ferir e os treinamentos devem ser moderados. Feitosa é um multiplicador dessas orientações”, observa o tratador.

O rigor na inspeção dos animais deixa claro o quão bem são tratados os cavalos. Os animais passam por uma vistoria rigorosa antes das provas e são acompanhados por seus tratadores, que também contam com o apoio de veterinários. “No recinto, atuamos na orientação e fiscalização do manejo e tratamento dos cavalos. Em pista, os jurados de provas também avaliam as passadas dos animais, considerando critérios de Bem-Estar Animal”, explica Leonardo.

Fonte: Agrolink