Uma boa muda de citros começa com sementes de qualidade

Além das borbulhas da variedade da copa, a escolha adequada da semente que dará origem ao porta-enxerto é o ponto de partida para a produção de uma muda de alto padrão. Esta é a opinião do pesquisador Sérgio A. de Carvalho, responsável pelo Programa de Plantas Matrizes e Borbulheiras do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio de Citros “Sylvio Moreira” , do IAC/APTA. De acordo com Carvalho, o primeiro passo para a aquisição das sementes é a escolha da variedade, que vai ser norteada pelos objetivos do produtor. “Normalmente as sementes são obtidas de frutos colhidos de plantas que estão no campo, os campos de produção de sementes ou matrizes”, diz.

Uma boa planta matriz deve reproduzir geneticamente, de forma fiel, a planta da qual é originária e possuir qualidade sanitária. A semente de citros serve de filtro para as doenças, pois não possui formação de vasos suficiente para deixar passar vírus e bactérias transmitidos normalmente por enxertia.

Assim, mesmo se a planta mãe possuir alguma doença, é grande a possibilidade de que a plântula que germinou seja sadia. Mesmo assim, para a garantia ou certificação da sanidade da muda, é essencial que a planta matriz não tenha nenhuma doença.

Por causa dessa característica, o processo de certificação do Estado de São Paulo não exige que a planta matriz fique em ambiente telado, protegida de vetores, como ocorre com a matriz para a produção de borbulhas. Para ter uma matriz registrada é necessário solicitar o registro junto à Secretaria de Agricultura, indicando a sua localização e o seu histórico. Quem está interessado em produzir mudas deve procurar sementes de uma matriz registrada, principalmente se quiser obter a certificação.

A maturação dos frutos das variedades utilizadas como porta-enxerto geralmente ocorre nos meses de maio e junho. Para atender produtores e viveiristas, o Centro APTA Citros/IAC mantém em Cordeirópolis, banco de matrizes com todas as variedades de interesse comercial. A reserva de sementes deve ser feita antecipadamente, pelo telefone (19) 546-1399.

Apoio à evolução da citricultura Segundo Sérgio Carvalho, além de serem atualmente a forma mais usual de propagação do porta-enxerto, as sementes são muito importantes para a evolução das variedades e dispersão dos citros no mundo. Foi através delas que, na década de 50, foi feita uma “limpeza” de várias viroses existentes nos citros, através da obtenção dos chamados clones nucelares, possibilitando a incrível recuperação da citricultura paulista.

“Além do embrião sexual, originado da fusão dos gametas masculino e feminino, as sementes de citros apresentam outros embriões, formados a partir de um tecido chamado nucela, recebendo, por isso, o nome de embriões nucelares. Como a nucela é parte da semente, os embriões nucelares possuem a mesma carga genética da planta mãe, possibilitando a reprodução de plantas idênticas e livres de doenças”, explica Carvalho. As sementes também são essenciais para o processo de hibridação artificial, utilizado em programas de melhoramento, que possibilita a criação de novas variedades de citros e auxilia nos estudos de herança e constituição genética, considerados atualmente a chave para a solução de problemas fisiológicos e relacionados a doenças e pragas.

É também através da germinação de sementes em tubos de ensaio que se obtêm em laboratório plantas adequadas para receber uma porção muito pequena e, por isso, livre de doenças, o que possibilita a limpeza de viroses das variedades pela microenxertia, técnica utilizada rotineiramente no Centro APTA Citros/ IAC.

Fonte: http://www.centrodecitricultura.br/informativos/2002/fevereiro.pdf