Máquinas e Implementos Agrícolas

CASE e JMalucelli apostam na soja para fazer bons negócios na Expodireto 2017

07/03/2017

Agricultura impulsiona também as vendas de máquinas de construção, utilizadas em todos os processos da produção no campo

As feiras agrícolas estão ganhando cada vez mais importância no calendário das fabricantes de máquinas de construção. O motivo é o crescimento contínuo das vendas para o agronegócio, que busca maior produtividade e desponta como um dos principais impulsionadores da retomada da economia.

Este ano, a Case Construction Equipment e sua concessionária para o sul do país, a JMalucelli Equipamentos, levam para a 18ª Expodireto Cotrijal, que acontece de 06 a 10 de março, em Não-Me-Toque, no Rio Grande do Sul, quatro modelos de equipamentos: a escavadeira hidráulica recém-lançada CX220C Série 2, a miniescavadeira CX27B, a carregadeira hidráulica 621D e a restroescavadeira 580N 4×4 cabinada.

Segundo o gerente da filial da concessionária gaúcha, José Claudino Thans Moreira, o objetivo da empresa é aumentar as vendas em relação ao ano passado, apostando no bom momento do agronegócio, em especial na safra recorde da soja na região.

A agricultura tem um grande impacto nas vendas de máquinas de construção no estado, onde a concessionária tem duas filiais: em Porto Alegre e Santa Maria. Das vendas da CASE no RS, 80% são para o setor, por meio de aquisição direta ou de prestadores de serviço. A média no Brasil é de 20%.

Utilização na agricultura – Com a mecanização da lavoura, as máquinas de construção também são cada vez mais necessárias nas fazendas e usinas, que buscam a sistematização da produção, garantindo maior eficácia na produção agrícola.

Motoniveladoras, pás-carregadeiras, escavadeiras hidráulicas, retroescavadeiras e tratores de esteiras são os responsáveis pelas operações de drenagem das áreas, construção de curvas de nível e abertura de valas e valetas. Além disso, tanto a retroescavadeira como as minicarregadeiras e as pás carregadeiras são bastante utilizadas na manutenção das fazendas e manuseio de insumos, da colheita e do bagaço da cana.

Lançamento novas escavadeiras – A CASE investiu R$ 36,5 milhões no lançamento e nacionalização de seis modelos de escavadeiras hidráulicas. Os equipamentos da nova Série C, que vão de 13 a 37 toneladas, estão sendo fabricados na unidade de Contagem (MG), aumentando em mais de 40% a produção local de modelos da marca.

Na Expodireto, a marca vai expor o modelo CX220C série 2, de 20 toneladas, utilizado na região de Não-Me-Toque principalmente na construção de açudes e represas para irrigação. No agronegócio em geral, a máquina também é utilizada na confecção de curva de nível e manutenção de estradas, com maior durabilidade e produtividade.

A nova série de escavadeiras ganhou lanças, braços e opções de caçambas heavy duty, para serviços pesados, que asseguram maior durabilidade desses implementos. O sistema hidráulico foi otimizado proporcionando melhor distribuição da vazão das bombas nos movimentos combinados.

A tubulação, por sua vez, foi redimensionada para evitar o máximo de perdas de carga, aquecimento do óleo hidráulico e carga desnecessária ao sistema, o que resultaria em maior consumo de combustível.

As escavadeiras são equipadas com motores eletrônicos com certificação Tier III. Tem rotação ligeiramente reduzida, também passaram por ajustes para melhor adaptação a cada condição operacional e ambiental. O sistema de injeção é menos sensível a combustível com alto teor de enxofre, possibilitando assim maior vida útil dos componentes.

Entre as inovações dos motores estão um novo regulador eletrônico que proporciona aumentos de potência correspondentes à exigência hidráulica. O torque e a rotação estão em sintonia com as oscilações de carga, reduzindo ligeiramente a rotação nos movimentos que não demandam potência, como abaixamento e fechamento do braço em vazio e aumentando o torque quando altas cargas são impostas.

Novas funções hidráulicas e no próprio motor, por exemplo, o sistema Shut Down programável, que desliga o motor se nenhum atuador for utilizado durante 3 minutos, também contribuíram para diminuir o consumo de combustível.

Esta função foi adicionada à função Auto Idle, que reduz a rotação do motor para marcha lenta quando não utilizado nenhum atuador durante cinco segundos. Já a função calibre ECO exibe em tempo real, em uma escala de dez, as fases do nível de economia de energia, permitindo que o operador monitore constantemente o consumo.

Todos estes ajustes asseguraram uma redução no consumo de combustível de 14% em média em relação à série anterior que já era considerada uma das de menor consumo do mercado.

Fonte: Agrolink