Capacidade brasileira de estocagem de produtos agrícolas fica menor

06/06/13
A rede de estocagem de produtos agrícolas no Brasil vem caindo nos últimos meses.  Em todo país foi registrado uma queda de 0,6% no número de armazenadoras ativas, na comparação com o primeiro semestre de 2012.

Conforme levantamento realizado em 31 de dezembro de 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a rede contava com 9.223 estabelecimentos ativos, dos quais 4.175 (45,3.%) encontravam-se na região Sul, 2.028 (22,0%) na região Sudeste, 1.991 (21,6.%) na Centro-Oeste, 723 (7,8%) na Nordeste e 306 (3,3.%) na região Norte.

As unidades armazenadoras dos tipos armazéns graneleiros e granelizados totalizaram 57.913.032 toneladas de capacidade útil, sendo que a região Centro-Oeste deteve 49,9% desta capacidade de armazenamento e a Sul, 32,3%.

Os silos para grãos apresentaram 58.470.826 toneladas de capacidade útil total no país, com a região Sul detendo 56,5% deste total e as regiões Centro-Oeste e Sudeste, 24,6% e 13,6%, respectivamente.

Os resultados de capacidade útil, quando comparados aos da pesquisa do primeiro semestre de 2012, apresentaram queda de 3,9% na capacidade útil dos armazéns convencionais, estruturais e infláveis e acréscimo de 0,9% na capacidade útil dos silos, mantendo-se inalterados em relação aos armazéns graneleiros.

O total de capacidade útil instalada no país decresceu 0,8%, passando de 159.876.988 para 158.639.202 toneladas.