Gerenciamento de Produção

Análise de Mercado – Cana-de-açúcar – 14/02 a 18/02

Açúcar e etanol com mercados distintos durante a semana

Fonte: AgroCIM

A semana foi marcada por muita movimentação no mercado internacional e que acabou por interferir de maneira negativa no mercado interno de açúcar. Já para o etanol a semana foi marcada com o surgimento de uma nova empresa, além de alta comparada com a semana anterior.

As usinas e destilarias da Região Centro-Sul do Brasil devem processar 550 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra 2011/2012, queda de 1,24% sobre 556,89 milhões de toneladas da safra 2010/2011. A forte estiagem no segundo semestre de 2010, causada pelo fenômeno La Niña, prejudicou o desenvolvimento da cultura e vai impactar a produção e a ação do clima entre março e abril deve ser fundamental para definir qual será a previsão real da safra processada pelas usinas em 2011/2012. Com isso, a safra no Centro-Sul pode variar em 15 milhões de toneladas para cima ou para baixo. A produção de etanol no Centro-Sul deve ficar estável, em torno de 25,3 bilhões de litros entre as duas safras, com tendência de queda em 2011/2012. As exportações do combustível despencarão 37,8% entre os períodos, de 1,5 bilhão para 1,15 bilhão de litros.

O percentual de cana que será destinado à produção de açúcar deve seguir estável na safra 2011/2012 na região centro-sul, após três anos de alta. A baixa produtividade dos canaviais e a pressão do mercado por etanol hidratado -devido ao aumento de produção dos carros flex- são os principais fatores para a estagnação. O crescimento do açúcar no mix da cana verificado nos últimos três anos acompanhou o mercado e foi impulsionado pelo aumento do consumo mundial e a quebra de safras de países como a Índia, no ano passado.

Estimativas indicam que o açúcar concentrará 45,7% do mix da cana na safra. A produção de açúcar deve ser de até 34,4 milhões de toneladas e a de etanol, de 25,1 bilhões de litros, entre hidratado e anidro.

A Cosan e Shell apresentaram na última segunda-feira uma nova companhia voltada ao etanol, a Raízen. A nova empresa, resultante do processo de integração dos negócios da Cosan e Shell, nasce com valor de mercado estimado no entorno de US$ 12 bilhões, além de 40 mil funcionários. A Raízen será a marca corporativa dos negócios e a aposta para o crescimento das vendas internacionais de etanol. De início, tem previsão de em cinco anos dobrar a produção de etanol, passando de 2,2 bilhões de litros (resultado de 2010) para 5 bilhões. Se tratando de produção, a empresa tem expectativa de passar os 62 milhões de toneladas de cana moída, atualmente, para 100 milhões de toneladas anuais.

 

Açúcar

No cenário internacional, Cuba anunciou a liberalização da venda do açúcar, após passar décadas subsidiando o preço do produto, um dos seus principais itens de exportação. Com essa medida o governo cubano visa a redução do papel do Estado na economia e assim apoiar a iniciativa privada na ilha comunista, em resposta a uma grave crise econômica. Os cubanos vão continuar podendo comprar apenas uma porção limitada de açúcar, dentro de suas cadernetas de ração – cujo uso o governo cubano também pretende eliminar gradualmente.

Além disso, a semana iniciou com expectativas em torno novamente da decisão do governo indiano sobre liberar as exportações. Especulações sobre a possível redução das taxas para importação em Março também influenciou o mercado de açúcar.

Reflexo dos acontecimentos no exterior, o mercado interno passou a semana em queda durante todos os dias e o acumulado no mês de fevereiro está em 1,78% negativo, até o dia 18. A semana que se iniciou com a saca de 50 kg cotada em R$ 75,59 terminou a semana em R$ 74,56, segundo dados divulgados pelo indicador CEPEA/ESALQ.

 

Etanol

Durante a semana em três estados estava vantajoso o abastecimento com etanol em vez de gasolina,são eles: São Paulo, Mato Grosso e Goiás; já em Pernambuco estava indiferente a escolha, foi o que apontou a Agência Nacional do Petróleo (ANP). Nos demais 22 Estados e no Distrito Federal, com os atuais preços, vale mais a pena encher o tanque com gasolina. Segundo o levantamento desta semana, em São Paulo o preço do etanol representa 69,87% do preço da gasolina (até 70% o etanol é competitivo). Em Goiás, a relação é de 69,71% e em Mato Grosso, de 68,33%. A gasolina está mais vantajosa principalmente no Rio Grande do Sul (preço do etanol atinge 83,31% do da gasolina) e em Roraima (82,59%).

A preocupação com estoques mais baixos de etanol no país levou a presidente Dilma Rousseff a determinar a criação de uma ampla política para o setor sucroalcooleiro aos Ministérios da Agricultura, da Fazenda e de Minas e Energia. Segundo o ministro da Agricultura, Wagner Rossi, a ideia é acabar com ações pontuais de intervenção e incentivar a retomada de investimentos no setor para ampliar a produção do combustível. A proposta prevê uma política que envolva o apoio ao produtor de cana e de açúcar e álcool – disse o ministro.

O etanol fechou a semana correspondente aos dias 14 a 18 de fevereiro a R$ 1,3108 o litro, segundo o indicador CEPEA/ESALQ. Cotação superior a verificada na semana anterior, que foi de R$ 1,2709.

Analista: Thaisa de Sousa Selvatti – Centro de Inteligência em Mercados

Fonte: Agência UDOP de Notícias, Agrocim, Notícias Agrícolas

http://www.agrocim.com.br/analise/Analise-de-Mercado–Canadeacucar-?-1402-a-1802.html