Cafeicultores buscam apoio federal

05/03/13
Representantes do setor produtivo do café – Sindicatos, FAEMG e Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) – em parceria com o Conselho Nacional do Café (CNC) se reuniram na última semana em Varginha para debater o cenário de cotações abaixo dos custos de produção. As principais reivindicações do setor foram listadas em um documento que deverá ser entregue à Presidência da República.
O diretor da FAEMG e presidente da Comissão Técnica de Cafeicultura da entidade e da CNA, Breno Mesquita explica que o aumento progressivo do consumo do grão em todo mundo (crescimento médio de 2% ao ano) pautou um planejamento federal de aumento da produtividade do país para atender a demanda.
Ele explica que, com a safra de ciclo alto do último ano e uma safra atual registrando volume superior à média dos anos de ciclo baixo, o mercado tornou-se fortemente especulativo. “O que pedimos é a contrapartida, a garantia mínima de renda para o cafeicultor continuar no mercado, trabalhando sem prejuízo. Por isso, estamos nos mobilizando para levar à Presidência as propostas que o setor produtivo entende como necessárias para que o mercado possa enfim reagir”, conta.
Além da revisão do preço mínimo da saca, o manifesto solicita a liberação de linha de crédito de R$900mi (ou três milhões de sacas) do Fundo de Defesa da Cafeicultura – Funcafé – e prorrogação de créditos em aberto do setor até que a cotação no mercado interno atinja o preço mínimo, dentre outras propostas. “Nosso objetivo é cobrar da Presidência o apoio que foi prometido durante a campanha eleitoral. E que sejam políticas que realmente levem em conta a renda do produtor”, conclui.
Fonte: .agrolink.com.br