Custo de Produção

Café: Cotações operam em queda nesta 2ª feira em NY após forte avanço na sessão anterior

Publicado em 11/05/2015

 

As cotações do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve queda nesta manhã de segunda-feira (11). A sessão já registra intensa volatilidade, os futuros já chegaram a operar no campo positivo estendendo os ganhos da sessão anterior.

Por volta das 10h24, o contrato julho/15 anotava 133,90 cents/lb e o setembro/15 tinha 136,90 cents/lb, ambos com desvalorização de 75 pontos e o dezembro/15 registrava 140,55 cents/lb com recuo de 55 pontos.

Na sessão anterior, o mercado avançou forte no final da sessão com compras da indústria torradora que aproveitou as recentes quedas para entrar de vez no mercado. Na quarta-feira da semana passada, os contratos com entrega para julho/15 fecharam nos níveis mais baixos em quase dois meses.

» Clique e veja as cotações completas de café

Veja como fechou o mercado na sexta-feira:

Café: Mercado em NY avança quase 300 pts nesta 6ª feira e encerra semana atento a colheita do Brasil

Os futuros do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam esta sexta-feira (8) com valorização de quase 300 pontos nos principais contratos e estenderam os ganhos da sessão anterior ainda com recompras técnicas, desta forma importantes resistências foram reconquistadas durante o pregão.

O vencimento maio/15 encerrou a sessão com 132,90 cents/lb e alta de 205 pontos, o julho/15 registrou 134,65 cents/lb e 295 pontos e o setembro/15 teve 137,35 cents/lb com avanço de 285 pontos. O vencimento dezembro/15 fechou o dia com 141,40 cents/lb e 275 pontos de valorização.

Para o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, para a semana vindoura é possível que este comportamento persista e desta forma, ao que parece, o campo positivo deverá continuar a prevalecer num horizonte de curto prazo.

Segundo informações de agências internacionais, na sessão de hoje a indústria torradora aproveitou as recentes quedas para entrar de vez no mercado. Na quarta-feira, os contratos com entrega para julho/15 fecharam nos níveis mais baixos em quase dois meses.

Outro fator que também contribuiu para o avanço nas cotações do arábica foi a valorização da moeda brasileira ante o dólar durante o dia.

Segundo informações do Conselho Nacional do Café (CNC), nesta semana, a proximidade da colheita brasileira e a multiplicidade de estimativas de safra sem embasamento de campo, que mostram uma recuperação fora da realidade dos volumes a serem colhidos no País, pressionaram as cotações futuras do café arábica. A retomada do movimento de valorização do dólar ante o real também auxiliou nas perdas dos preços futuros da variedade.

Na segunda-feira, a Volcafe estimou que o País deve ter colheita de 51,9 milhões de sacas de 60 kg. A divisão de café da trading ED&F Man citou que as chuvas em fevereiro e março melhoraram as condições das lavouras do País.

Cafeicultores, por sua vez, acreditam em colheita de no máximo 45 milhões de sacas devido as intempéries climáticas de 2014.

Exportações Cecafé

O mês de abril apresentou uma receita de US$ 500,227 milhões, valor 7,4% menor que o registrado em 2014. Em termos de volume, o total exportado foi de 2.999.431 sacas, 3,8% mais baixo que no ano passado.

Entretanto, no acumulado de janeiro a abril deste ano houve um incremento de 23,8% na recita em relação a 2014, fechando em US$ 2,207 bilhões. Já o volume apresentou alta de 2,6% na mesma base comparativa e é o maior dos últimos 5 anos, destacando-se o incremento de 138% no embarque de café conilon. Foram exportadas 11.910.151 sacas (verde, torrado & moído e solúvel). As informações são do Balanço das Exportações divulgado hoje pelo CeCafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

De acordo com o analista de mercado do Escritório Carvalhaes, Eduardo Carvalhaes, se o ritmo das exportações for mantido o país terá novo recorde nas vendas.

Mercado interno

Nas praças de comercialização do Brasil a paradeira é grande. Segundo analistas, os preços continuam ruins e, em alguns casos, não remuneram nem os custos de produção.

O tipo cereja descascado teve maior valor de negociação nas cidades de Guaxupé-MG e Espírito Santo do Pinhal-SP com saca cotada a R$ 500,00 – estaveis. A variação mais expressiva ocorreu em Poços de Caldas-MG e Varginha-MG com alta de 1,05% e saca cotada a R$ 479,00 na primeira e R$ 480,00 na segunda.

O tipo 4/5 teve maior valor de negociação em Guaxupé-MG com R$ 500,00 a saca – estável. A maior oscilação ocorreu em Franca-SP onde a saca avançou 2,22% para R$ 480,00.

O tipo 6 duro teve maior valor em Araguarí-MG com R$ 470,00 a saca – estável. A maior variação no dia também foi em Franca-SP onde a saca avançou 2,27% e está cotada a R$ 450,00.

Na quinta-feira (7), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou desvalorização de 0,44% e a saca de 60 kg está cotada a R$ 421,97.

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas