Custo de Produção

Café: Cotações do arábica em NY operam com leve alta nesta manhã de 3ª feira; Conab revisa para baixo safra atual

Publicado em 29/09/2015

Nesta manhã de terça-feira (29), as cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam com leve alta. O mercado recupera-se de parte das perdas da sessão anterior, quando o principal vencimento, dezembro/15, perdeu o patamar de US$ 1,20 por libra-peso.

Por volta das 09h27, os lotes com vencimento para dezembro/15 estavam cotados a US$ 119,50 cents/lb com alta de 35 pontos, o março/16 tinha US$ 125,75 cents/lb e valorização de 30 pontos. Já o vencimento maio/16 registrava US$ 124,80 cents/lb e 15 pontos positivos, enquanto o julho/16 valia US$ 126,65 cents/lb com avanço de 5 pontos.

Nesta manhã, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) revisou para baixo a produção da safra 2015/16. O Brasil deverá colher 42,15 milhões de sacas de 60 quilos de café beneficiado este ano de arábica e conilon. O resultado, em período de baixa bienalidade da cultura, representa redução de 7% em relação à produção de 45,34 milhões de sacas obtidas em 2014. Em relação ao levantamento de 44,28 milhões de sacas, divulgado em maio, observa-se uma redução de 4,8%, o que corresponde a menos 2,1 milhões de sacas.

» Conab: Brasil deverá colher 42,15 milhões de sacas de café em 2015

» Clique e veja as cotações completas de café

Veja como fechou o mercado na segunda-feira:

Café: Bolsa de Nova York devolve praticamente todos os ganhos da sessão anterior e perde patamar de US$ 1,20/lb

Após o forte avanço registrado na sessão anterior, as cotações do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) encerram esta segunda-feira (28) do lado vermelho da tabela, devolvendo praticamente todos os ganhos de sexta-feira. O mercado repercute o mau humor econômico global e a desvalorização cambial.

O contrato dezembro/15 encerrou a sessão cotado a 119,15 cents/lb e 355 pontos de baixa, o março/16 anotou 122,45 cents/lb com 345 pontos de recuo. Já o vencimento maio/16 fechou a 124,65 cents/lb com 330 pontos de desvalorização, enquanto o julho/16 foi negociado a 126,60 cents/lb e 310 pontos negativos.

De acordo com o analista de mercado da Maros Corretora, Marcus Magalhães, diante das incertezas nos mercados globais, os investidores preferem adotar uma postura conservadora, o que também acaba influenciando no café. Existem dúvidas em relação à economia da China e a taxa de juros dos Estados Unidos, além da desvalorização do real ante o dólar. “Os grandes players tiraram da bolsa o que o dólar voltou a subir”, afirma o analista.

Nesta segunda-feira, o dólar comercial encerrou cotado a R$ 4,1095 a venda com avanço 3,37%. A moeda estrangeira mais valorizada ante o real dá maior competitividade às exportações, mas pressiona a cotação das commodities.

» Dólar salta mais de 3% e volta a R$4,10, com mercado testando o BC e cena externa

No aspecto fundamental, segundo alguns analistas, pesa sobre o mercado a expectativa de uma melhor produção na próxima temporada com a boa florada registrada nos últimos dias.

Segundo informações do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), as floradas recentes animaram os produtores, mas o ‘pegamento’ e o desenvolvimento dos chumbinhos, que vão determinar o potencial da safra 2016/17, dependem muito do clima nas próximas semanas.

De acordo o agrometorologista da Somar Meteorologia, Marco Antônio dos Santos, as cidades produtoras de café devem receber chuvas irregulares nos próximos. “A próxima grande frente fria que deverá provocar chuvas sobre o Brasil central deverá ocorrer somente em meados de outubro”, explica.

» Café: Após período de altas temperaturas e baixa umidade, chuvas devem favorecer desenvolvimento dos chumbinhos

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, ainda acontecem poucos negócios, mesmo com o preço acima de R$ 500,00 a saca em algumas localidades. “O setor produtivo está de olho no clima, posterga vendas e deixa as praças de comercialização dentro de um grande vazio”, explica Marcus Magalhães.

O tipo cereja descascado teve maior valor de negociação na cidade de Guaxupé (MG) com saca cotada a R$ 559,00 e baixa de 1,58%. A maior oscilação no dia ocorreu em Poços de Caldas (MG) com recuo de 2,01% e saca cotada a R$ 536,00.

O tipo 4/5 registrou maior valor de negociação também em Guaxupé (MG) com R$ 559,00 a saca e desvalorização de 1,58%. A maior oscilação no dia ocorreu em Franca (SP) que teve alta de 1,96%, para R$ 520,00 a saca.

O tipo 6 duro teve maior valor de negociação na cidade de Guaxupé (MG) com R$ 501,00 a saca e baixa de 1,76%. A maior oscilação ocorreu em Franca (SP) com desvalorização de 2% e R$ 490,00 a saca.

Na sexta-feira (25), o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 registrou alta de 0,95% e a saca de 60 kg está cotada a R$ 476,73.

Bolsa de Londres

As cotações do café robusta na ICE Futures Europe fecharam com forte queda nesta segunda acompanhando Nova York. O vencimento novembro/15 está cotado a US$ 1548,00 por tonelada com queda de US$ 48, o janeiro/16 teve US$ 1556,00 por tonelada e desvalorização de US$ 47 e o contrato março/16 registrou US$ 1572,00 por tonelada e US$ 46 de recuo.

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas