Custo de Produção

Café: Brasil exporta 8% menos em 2016, mas arábica tem melhor resultado da série histórica, aponta Cecafé

Publicado em 11/01/2017

País embarcou 34 milhões de sacas, com receita cambial de US$ 5,4 bilhões

As exportações de café do Brasil totalizaram 34 milhões de sacas de 60 kg em 2016. O número representa uma queda de 8,1% em relação ao volume exportado em 2015 (37,02 milhões de sacas). A receita com as exportações também teve um decréscimo, de 12,3%, totalizando US$ 5,4 bilhões. O levantamento completo das exportações do país foi divulgado em coletiva de imprensa nesta quarta-feira (11) pelo Cecafé (Conselho dos Exportadores de Café do Brasil).

O café robusta, que enfrenta sérios problemas com a seca na principal origem produtora do Brasil, o Espírito Santo, teve uma baixa de cerca de 85% de um ano para o outro nas exportações, caiu de 4,2 milhões de sacas em 2015 para 580,3 mil sacas no ano passado. Já o arábica teve seu melhor desempenho na série histórica, com recorde na exportação, totalizando 29,5 milhões de sacas no ano civil. Até novembro, a participação de mercado do Brasil, de acordo com dados da OIC (Organização Internacional do Café), era de 29%. A menor desde 2012.

“O segundo trimestre do ano foi o mais desafiador para o segmento, devido ao período de entressafra e às reduções drásticas nos estoques. Porém apresentamos uma grande recuperação no quarto trimestre, que foi o melhor período do ano. O café conilon (robusta) foi o mais impactado em 2016 devido às condições climáticas adversas, voltando a patamares de 1997. Já o arábica, por sua vez, compensou esse cenário negativo, com recorde em toda a nossa série histórica de exportações”, afirma o presidente do Cecafé, Nelson Carvalhaes.

No total do ano de 2016, os cafés verdes somaram 30,15 milhões de sacas (29.568.282 sacas de arábica e 580.313 sacas de robusta). Já os cafés industrializados tiveram aumento de 7,8% em comparação com o total exportado em 2015, com 3,86 milhões de sacas embarcadas em 2016 (sendo 3.828.092 sacas de café solúvel e 29.206 sacas de café torrado e moído).

Para 2017, o Cacafé acredita que os números de exportação devem ficar estáveis mesmo com as indicações de que a safra de arábica será mais baixa em algumas regiões produtoras e a de robusta possa enfrentar mais um ano de queda. “Não sei se ela será bem menor (safra 2017), a gente precisa esperar os dados e as estatísticas. Eu acredito que vamos ter um ano semelhante a esse desempenho de 2016. As exportações devem reduzir na entressafra, mas voltam a subir no terceiro trimestre de 2017. Já em 2018, tudo indica que será um ano mais difícl”, explica Carvalhaes.

Dezembro de 2016

Especificamente no mês de dezembro de 2016, foram exportadas 3,07 milhões de sacas, com receita cambial de US$ 557 milhões e preço médio de US$ 181,59. Os cafés verdes somaram 2,75 milhões de sacas (2.737.673 sacas de arábica e 11.037 sacas de robusta) e os cafés industrializados corresponderam a 320,27 mil sacas (sendo 319.331 sacas de café solúvel e 937 sacas de café torrado e moído).

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas