Café

Café: Bolsa de Nova York avança mais de 100 pts nesta 3ª feira; no Brasil, melhores tipos são negociados em R$ 550/sc

Publicado em 18/08/2015

As cotações do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) voltaram a operar no território positivo nesta tarde de terça-feira (18), após a registrar queda de quase 300 pontos no pregão de ontem. A incerteza dos envolvidos em relação ao aperto no equilíbrio entre a oferta e demanda mundial confere sustentação às cotações.

Por volta das 12h03, o vencimento setembro/15 tinha 135,85 cents/lb com 110 pontos de alta, o dezembro/15 anotava 139,60 cents/lb e avanço de 105 pontos. O contrato março/16 tinha 142,95 cents/lb e o maio/16 operava com 145,00 cents/lb, ambos os vencimentos com 100 pontos positivos.

De acordo com o analista da Maros Corretora, Marcus Magalhães, as cotações do arábica operam com valorização em ajuste técnico. As cotações buscam novamente o patamar de US$ 1,40 por libra-peso.

Na sessão de ontem, os futuros do café arábica registraram queda após as recentes altas no terminal norte-americano. Na semana passada, o contrato setembro/15 teve valorização de 7,59%, saindo de 127,80 centavos de dólar por libra-peso no dia 7 de agosto para 137,50 cents/lb na sexta-feira passada.

No mercado físico nacional, há registro de negócios isolados. Entretanto, os melhores tipos de café chegam a ser negociados, em algumas localidades, acima de R$ 550,00 a saca. De acordo com Marcus Magalhães, os preços do café devem ficar sustentados nesta terça-feira.

Clima

De acordo com mapas climáticos da Somar Meteorologia, a semana começa com mudança no padrão atmosférico. Um rompimento deve trazer o retorno de frente fria para o Sudeste do Brasil. A primeira, entre quarta e quinta-feira, deve favorecer o aumento da umidade.  No fim de semana, outra frente fria deve favorecer chuvas entre o Paraná e sudeste de São Paulo. Vale ressaltar, que a colheita do café arábica ainda é realizada na maior parte do cinturão produtivo.

» Clique e veja as cotações completas de café

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas