Café


Café: Após recuperação no pregão de ontem, cotações do arábica iniciam 6ª feira próximas da estabilidade

Publicado em 19/06/2015

 

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) operam praticamente neutras nesta manhã de sexta-feira (19). Na sessão de ontem, os futuros avançaram tecnicamente cerca de 250 pontos após a perda acentuada na quarta-feira (17).

Por volta das 9h55, o vencimento julho/15 tinha 128,70 cents/lb – estável, o setembro/15 registrava 132,15 cents/lb com 20 pontos de avanço. O dezembro/15 anotava 135,70 cents/lb – também estável. Já o vencimento março/16 trabalhava com 139,65 cents/lb e 30 pontos de valorização.

» Clique e veja as cotações completas de café

Veja como fechou o mercado na quinta-feira:

Café: Bolsa de Nova York reage nesta 5ª feira e sobe cerca de 250 pontos após tombo na última sessão

As cotações futuras do café arábica na Bolsa de Nova York (ICE Futures US) fecharam com alta nesta quinta-feira (18) após ficar abaixo de US$ 1,30 por libra-peso na sessão anterior. A correção é vista por analistas como algo natural uma vez que o mercado nos últimos dias tem se baseado bastante em aspectos técnicos e apresentado intensa volatilidade.

O vencimento julho/15 encerrou o pregão cotado a 128,70 cents/lb com 205 pontos de avanço, o setembro/15 registrou 131,95 cents/lb com alta de 255 pontos. O contrato dezembro/15 anotou 135,70 cents/lb e o março/16 fechou o dia com 139,35 cents/lb, ambos com valorização de 260 pontos.

Segundo o analista de mercado João Santaella, Nova York buscou hoje recuperação após a queda de ontem quando vendas de fundos foram acionadas diante do clima favorável para a colheita no Brasil.

Em contrapartida, vale lembrar que as previsões climáticas mais recentes da Somar Meteorologia apontam tempo instável com potencial para chuva no Sul, Sudeste e Centro-Oeste nos próximos dias devido a uma sucessão de frentes frias. Até 21 de junho, chove no Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Bahia e Espírito Santo, sendo mais intensa neste último Estado. Entre uma frente fria e outra, a temperatura entra em declínio, mas sem potencial para geada nas áreas produtoras.

Ainda segundo o analista, a queda do dólar ante o real ontem e durante o dia de hoje ajuda a impulsionar o mercado. A valorização da moeda brasileira inibe as exportações de café. Na quarta-feira, o real avançou para seu maior valor em um mês.

A colheita avança nas regiões produtoras do Brasil, mas o ritmo ainda é lento se comparar com o ano anterior. Segundo estimativa da Safras & Mercado, divulgada na semana passada, a colheita de café da safra brasileira 2015/16 chegou a 28% até dia 9 de junho e está atrasada em relação ao mesmo período do ano passado.

A Reuters informou nesta quinta-feira que os cooperados da Cooxupé, maior cooperativa de café do Brasil, colheram até 13 de junho menos de 8% do café na área de atuação da instituição na atual safra 2015/16.

Segundo a reportagem, os trabalhos da cooperativa que atua no Sul de Minas, Cerrado Mineiro e Vale do Rio Pardo (São Paulo), estão aparentemente mais lentos neste ano na comparação com 2014.

Pelos dados dos cooperados até 20 de junho do ano passado, eles haviam realizado a colheita em 27,51 por cento da área da cooperativa até aquela data em 2014.

» Cooperados da Cooxupé colheram 7,8% do café na área da cooperativa

Mercado interno

Nos últimos dias, as cotações internas do café arábica recuaram fortemente, pressionadas pelas quedas externas. Com isso, os negócios estão lentos, com poucos vendedores ativos no mercado. Nessa quarta-feira, 17, o Indicador CEPEA/ESALQ do arábica tipo 6 bebida dura para melhor, posto em São Paulo, fechou a R$ 411,54/saca de 60 kg, forte baixa de 5,54% em relação à quarta anterior, 10. Quanto à colheita de arábica, está atrasada em relação ao ano passado.

Segundo pesquisadores do Cepea, o principal motivo é a maturação desigual dos grãos na maioria das praças, ainda como reflexo das floradas desuniformes e tardias do segundo semestre de 2014. Agentes consultados pelo Cepea indicam que, em boa parte das regiões, há grãos maduros e verdes no mesmo pé.

Hoje, o tipo cereja descascado teve maior valor de negociação na cidade de Espírito Santo do Pinhal-SP com saca cotada a R$ 490,00 – estável. A variação mais expressiva no dia foi registrada na cidade de Franca-SP com avanço de 2,17% e R$ 470,00 a saca.

O tipo 4/5 teve maior valor de negociação em Guaxupé-MG com R$ 489,00 a saca e alta de 1,45%. A maior oscilação no dia foi em Franca-SP com valorização de 2,27% e saca cotada a R$ 450,00.

O tipo 6 duro teve maior valor na cidade de Araguarí-MG com R$ 450,00 a saca – estável. A maior oscilação no dia foi registrada na cidade de Varginha-MG onde a saca caiu 2,27%, para R$ 430,00.

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas
 enviar por email     imprimir    compartilhe: Favoritos      Comente!