Defensivos

Brasileiros desenvolvem alga transgênica com ação inseticida

06/03/2017

Uma equipe de acadêmicos da Universidade Federal do Ceará (UFC) e da Universidade de Brasília (UnB) desenvolve microalgas geneticamente modificadas (GM) com ação inseticida. O organismo transgênico combate a proliferação do mosquito Aedes aegypti, que é o vetor de doenças como dengue, zika vírus, febre chikungunya e febre amarela.

De acordo com Larissa Queiroz, da Biotecnologia da UFC, o objetivo é fazer com que a microalga (espécie Chlamydomonas reinhardtii) “excrete uma proteína tóxica para as larvas do mosquito, que acabariam morrendo. E não haveria nenhum risco para o homem ou animais caso consumissem essa água”.

Original de água doce, a Chlamydomonas reinhardtii foi escolhida porque já têm o genoma sequenciado e possui alta resistência, sobrevivendo até em ambiente salino. A equipe espera concluir a fase de transformação genética das microalgas com os genes de interesse até o próximo mês de outubro.

A UFC já fechou parceria com a Universidade do Minho, em Portugal, para ampliar o estudo das microalgas. O processo que se pretende com a Chlamydomonas reinhardtii já foi testado anteriormente em bactérias, leveduras e células de plantas.

Fonte: Agrolink