Milho

Brasil deve produzir safra recorde de milho no ciclo 2016/17, afirma INTL FCStone

Publicado em 02/12/2016

Segundo relatório divulgado pela consultoria, a produção total chegará ao nível de 91,05 milhões de toneladas; destes, 61,6 milhões de toneladas puxados pela ‘safrinha’

Com significativo incremento puxado pela ‘safrinha’ de milho, o ciclo 2016/17 deve configurar recorde de produção total do milho no Brasil, em 91,05 milhões de toneladas. Desta quantidade, a produção do cereal de inverno deve corresponder por 61,6 milhões de toneladas, segundo estimativa indicada pela INTL FCStone nesta sexta-feira (02). Este é o primeiro cálculo da consultoria para a segunda safra do milho, que finalizou 2015/16 em 40,8 milhões de toneladas, de acordo com fechamento da Conab.

“O plantio da soja foi bastante adiantado em algumas regiões, com destaque para o Mato Grosso, o que amplia consideravelmente a área potencial para a semeadura da segunda safra dentro da janela ideal”, avalia a Analista de Mercado da consultoria, Ana Luiza Lodi.

Em relação à área plantada, o grupo projeta aumento de 7,5% em relação ao ciclo 2015/16, uma vez que os preços internos ainda se encontram mais fortalecidos que no mesmo período de anos anteriores, configurando um incentivo ao cereal.

Mesmo com o potencial produtivo inédito, o número da primeira safra de milho apresentou leve recuo na avaliação de dezembro da INTL FCStone, ficando em 29,4 milhões de toneladas [contra 29,7 milhões de toneladas no mês anterior]. A queda decorreu de uma revisão na área de estados do MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), apesar de um leve aumento de área em Santa Catarina. Com isso, a área no verão foi estimada em 5,8 milhões de hectares [contra 5,9 milhões de hectares em novembro/16].

O balanço de oferta e demanda previsto para 2017 é significativamente diferente do verificado nesse ano. “A abundância de produto após a segunda safra tende a reduzir os preços domésticos para a paridade exportação. Atualmente, isso significaria uma redução de até 30% nas ideias de preços no interior – o que tende a estimular o consumo doméstico”, aponta Ana. A estimativa de exportação considera o atual nível de câmbio e preços internacionais, e novas desvalorizações do real podem levar a menor formação de estoques.

Soja

Em sua revisão de dezembro, a INTL FCStone ajustou a produção brasileira de soja para 102,1 milhões de toneladas no ciclo 2016/17, contra 101,8 milhões de toneladas projetados no mês anterior. O ajuste decorreu da revisão dos números do Mato Grosso do Sul. “Apesar de preocupações com o clima mais seco na região sul do estado, por enquanto os produtores não esperam perdas irreversíveis”, diz, em relatório.

Destaca-se que as condições desenvolvimento das lavouras são positivas, e as preocupações com o clima se concentram mais ao Sul do país, principalmente no Rio Grande do Sul, que poderia ficar mais seco nos próximos meses, sob os efeitos de um padrão climático de La Niña.

Fonte: INTL FCStone