Pecuária

Bovinocultura/MT: Custos são avaliados

23/02/2015

Para levantar dados de custo de produção da bovinocultura de corte e da pecuária leiteira em painéis com os produtores rurais, analistas do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) estiveram visitando os municípios de Pontes e Lacerda, Poconé, Araputanga e São José dos Quatro Marcos.

Os painéis são reuniões com os produtores de cada município, onde é definido o padrão de uma propriedade típica de determinada região. “Levantamos dados como tamanho médio da fazenda, número de colaboradores, maquinário, insumos utilizados a partir de consenso entre os participantes. Desta maneira fica definido o modelo de propriedade típica de cada região. Com estas informações, conseguimos mensurar os indicadores econômicos, como custo de produção e margem de rentabilidade da atividade na região”, disse o superintendente do Imea, Otávio Celidônio.

LEVANTAMENTO

O superintendente disse ainda que o levantamento dos custos de produção têm dois objetivos principais. “Primeiro é fomentar a atividade no Estado, auxiliar o produtor que já investe ou tem interesse em investir, além de servir de base para buscar melhores políticas públicas, como leilões de milho e algodão, por exemplo, ou a criação de novos estímulos públicos para cadeias como a pecuária de corte, pecuária leiteira, dentre outras”, pontua o superintendente.

Os dados são divulgamos nos informes de custo de produção, que são publicados pelo Imea trimestralmente (no caso da bovinocultura de corte) e mensalmente para os grãos (milho e soja).

PAINÉIS

Ainda este ano serão realizados painéis de custo de produção sobre soja, milho, algodão, cana-de-açúcar, eucalipto, teca e piscicultura. O levantamento é realizado pelo Imea em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar-MT) e os Sindicatos Rurais.

PARCERIAS

A prefeita de Poconé, Meire Adauto, discutiu com o secretário de Estado de Trabalho e Assistência Social, Valdiney de Arruda, parcerias para a geração de emprego e renda por meio da inclusão produtiva no município, localizado a 100 km de Cuiabá.

A gestora destacou a necessidade de qualificar a mão de obra para atender as demandas de Poconé, cuja base econômica é o turismo ecológico, a agricultura familiar e a exploração mineral. “A prefeitura passa por grandes dificuldades, porém estamos trabalhando para reverter essa situação e abertos a parcerias com o Governo do Estado porque acreditamos na vontade deste novo governo de mudar os rumos de Mato Grosso”, afirmou a prefeita.

O secretário Valdiney de Arruda, por sua vez, informou que a orientação é para que a Setas priorize os municípios que mais precisam de apoio, especialmente nos eixos saúde, educação e assistência social e que a proposta é de também colocar a inclusão produtiva como prioridade. “Vamos fazer um levantamento da identidade profissional dos municípios para melhor distribuir as vagas dos cursos de qualificação e traçar metas para atender as demandas da agricultura familiar”, informou Valdiney.

Ele ainda disse que parcerias poderão ser feitas por meio do cofinanciamento e de programas como o Pronatec e outros projetos da Secretaria de Trabalho e Assistência Social.

Fonte: Diário de Cuiabá