Pecuária

Boi Gordo: Com pressão baixista sobre os preços, escalas de abate recuam em SP

Publicado em 04/12/2015

 

O aumento da pressão baixista nos últimos 3 dias teve impacto negativo na média das escalas de abate em São Paulo que saiu de 6,75x para 5,88x dias úteis. Apesar disto, a situação das escalas de abates continua confortável e nesta quinta-feira (3/12) mais frigoríficos reduziram os preços das suas ofertas de compra.

Clique AQUI para conferir a íntegra da análise do Haitong Bank

Veja um resumo do mercado de carnes desta quinta-feira (3)

Boi Gordo: Com frigoríficos reduzindo compras e aumento da oferta de animais de confinamento mercado fica pressionado

Por Isabella Camargo, zootecnista da Scot Consultoria

As programações de abate continuam confortáveis na maioria das praças pesquisadas pela Scot Consultoria, diminuindo o ritmo de compra das indústrias.

Junto a isso, as chuvas colaboram para maior saída dos animais de confinamento, o que tende a pressionar o mercado.

Das trinta e uma praças pesquisadas, houve queda no preço do boi gordo em cinco.

As carcaças de bovinos castrados e inteiros estão cotadas em R$9,40/kg e R$9,36/kg, respectivamente.

Por outro lado, no Rio Grande do Sul, a baixa oferta vem colaborando para a firmeza do mercado.

Nos últimos sete dias o boi gordo subiu 2% no estado.

Não estão descartadas desvalorizações da arroba, no entanto, as quedas estão limitadas pela condição de baixa oferta.

Frango Vivo: Preços fecham estáveis nesta 5ª feira, após altas em SC e PR

Por Sandy Quintans

Nesta quinta-feira (03), as cotações para o frango vivo voltaram a fechar estáveis. Nesta semana, os preços apresentaram alta em Paraná e também em Santa Catarina. Já em Minas Gerais – que pratica o maior valor dentre as principais praças – o vivo segue negociado a R$ 3,35/kg, enquanto São Paulo mantém referência em R$ 3,10/kg.

De acordo com informações do Avisite, os atuais patamares de preços para o vivo na praça paulista estão 26,5% maiores do que os praticados no início de dezembro de 2014, quando os negócios estavam em torno de R$ 2,45/kg. O bom desempenho se deve a uma oferta equilibrada de animais, além de comercialização firme.

Influenza Aviária

Segundo projeções do Rabobank, o Brasil é o país que possui o maior potencial de atender a demanda pela carne de frango, após os focos de gripe aviária nos Estados Unidos e Europa. Apesar disto, os analistas acreditam que o volume embarcado pelo país está abaixo do esperado e que no próximo ano deve ter maior concorrência.

“O Brasil é de longe o país melhor posicionado para se beneficiar das restrições globais relacionadas a influenza aviária sobre o comércio dos concorrentes”, aponta o Rabobank.

Suíno Vivo: Preços voltam a encerrar estáveis nesta 5ª feira

Por Sandy Quintans

Nesta quinta-feira (03), os preços para o suíno vivo ficaram estáveis nas principais praças de comercialização. Nesta semana, algumas praças apresentaram mudanças de referências, mas o cenário para o mercado é de cotações estáveis nos últimos dias. Segundo analistas, os preços podem voltar a reagir nesta primeira quinzena de mês, com aquecimento da demanda típico do período.

De acordo com o boletim do Cepea, em novembro os preços para o vivo chegaram a cair 26,4% em São Paulo, em comparação com o mesmo período de 2014. Além disto, as cotações também cederam no comparativo com outubro deste ano, cerca de 6,9%. “Nem mesmo a reação das exportações em novembro foi suficiente para impedir as quedas nos preços domésticos”, analisa os pesquisadores.

No início da semana, a bolsa de suínos de São Paulo definiu referência entre R$ 82 a R$ 83/@, o mesmo que R$ 4,37 a R$ 4,43/Kg. A APCS (Associação Paulista dos Criadores de Suínos), informou novas vendas em Itu (SP), em que foram comercializados 160 animais a R$ 82/@.

Fonte: Haitong Bank + NA + Scot