Bloqueios nas estradas geram aproximadamente R$ 700 milhões em prejuízos

03/03/15
As paralisações nas estradas que escoam a produção da avicultura e da suinocultura da região Sul do país já apresentam sua conta: são cerca de R$ 700 milhões em prejuízos, de acordo com estimativas preliminares da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Conforme cálculos da entidade, em torno de 70% da capacidade de abate do Sul (que é maior produtora de aves e suínos do país) foi afetada nos dias mais graves do bloqueio, entre a segunda e a sexta-feira da última semana.

Com isto, a distribuição da ração para as granjas, o encaminhamento de aves e suínos para o abate e a liberação das cargas prontas para exportação e para o abastecimento das gôndolas dos supermercados no Brasil foram afetados.

Desde o início dos impactos dos bloqueios, registrados pelas agroindústrias em 21 de fevereiro, cerca de 60 unidades frigoríficas apresentaram desaceleração ou suspensão total da produção.

Neste cenário, a continuidade de alguns bloqueios em estradas, registradas ainda hoje pela Polícia Rodoviária Federal, mantém as agroindústrias produtoras de aves e suínos em estado de atenção, segundo o presidente-executivo da ABPA, Francisco Turra.

Conforme explica, várias plantas retomaram os abates após o cumprimento das liminares obtidas pela ABPA, pelas empresas, pela Advocacia Geral da União (AGU) e as procuradorias-gerais dos estados produtores. Entretanto, alerta o presidente da ABPA, ainda há unidades paradas.

“Tivemos conhecimento de planta que suspendeu abate nesta segunda-feira.  Outras, estão receosas em retomar as atividades e enfrentar nova paralisação, que é mais oneroso que manter a planta suspensa.  Há pouco também soubemos de problemas que exportadores estão enfrentando em portos. Estamos em estado de alerta, mesmo com a redução do número de bloqueios pelo país”, explica.

 

Agrolink com informações de assessoria