Reprodutivo

Biotécnicas da Reprodução Animal – Caprinos e Ovinos

A geração de tecnologias, bem como a sua transferência ao setor produtivo, não conseguiu mudar ainda o perfil da cadeia produtiva da caprinovinocultura nordestina. Esforços têm sido efetuados por órgãos governamentais, como a EMBRAPA, Secretarias de Agricultura, Universidades e ações locais junto às prefeituras municipais da região.

A dispersão das tecnologias, bem como da própria cadeia produtiva, e a carência de recursos humanos qualificados em todos os níveis da caprinocultura, parece ser o maior problema com o qual nos deparamos.

A carência de um modelo produtivo para a região, estratificado para a produção de carne, leite e peles através do emprego de tecnologias aplicadas, juntamente com a eleição de raças mais adequadas aos propósitos regionais, poderá solucionar o problema.

A introdução de normas de manejo tecnificado nos sistemas de produção, bem como um programa de melhoramento genético voltado para os anseios dos produtores da região, deverá merecer toda a prioridade.

A criopreservação de sêmen e embriões de animais geneticamente superiores poderá, através de trabalho de controle zootécnico, inseminação artificial e transferência de embriões, aumentar a produtividade ponderal e numérica dos rebanhos.

A avaliação das raças, seguida de congelamento de sêmen e embriões dos melhores animais, bem como a introdução e avaliação de novas raças, será uma das melhores ferramentas tecnológica capaz de modificar o perfil regional de criação.

No tocante às inovações biotecnológicas, a água de coco vem sendo utilizada em várias biotecnologias relacionadas com a reprodução animal. Excelentes resultados têm sido obtidos com a utilização da água de coco em estudos de preservação do sêmen de animais domésticos como caprinos (Freitas, 1988; Salles, 1989; Toniolli, 1989a; Araújo, 1990; Rodrigues et al., 1994; Salgueiro et al., 2003), ovinos (Freitas, 1992; Cruz, 1994; Sousa et al., 1994), suínos (Toniolli, 1989b; Toniolli & Mesquita, 1990), caninos (Montezuma Jr. et al., 1994; Uchoa et al., 2002), peixe de água doce como o Tambaqui (Colossoma macropomum CUVIER) (Farias et al, 1999).

Dentre as alternativas pobres em fosfolipídios, surgiu a água de coco que, através de experimentos “in vitro” e “in vivo”, exibiu um excelente comportamento no que se refere ao vigor e motilidade dos espermatozóides vivos e fertilidade (Nunes, 1986).

A utilização de diluentes pobres em fosfolipídios na biotecnologia de criopreservação do sêmen caprino permite suprimir os processos de lavagem que são submetidos ao sêmen antes de diluí-lo nos diluentes convencionais (Souza & Mies Filho, 1986; Machado, 1991).

Tratando de determinar a fração da água de coco que atua sobre os espermatozóides, Nunes et al. (1994) realizaram o fracionamento da água de coco e observaram uma molécula pertencente ao grupo das auxinas, o ácido 3-indol acético (IAA), substância com ação hormonal estimuladora do crescimento de vegetais, que ativa o metabolismo dos espermatozóides. A presença do IAA pode variar de acordo com o estágio de maturação e da espécie do fruto e conseqüentemente influir nos resultados “in vitro” e “in vivo” do sêmen diluído em diferentes composições da água de coco (Nunes & Salgueiro, 1999).

A introdução do IAA na composição de diluentes convencionais do sêmen de diferentes espécies conferiu aos espermatozóides um incremento de motilidade, aumentando a taxa de fertilidade, além de permitir sua conservação durante períodos mais longos (Cruz, 1994; Nunes et al., 1994).

Vários pesquisadores têm demonstrado que a água de coco, além de apresentar resultados satisfatórios na criopreservação do sêmen de caprinos, de ovinos e suínos, pode ser utilizada com êxito na criopreservação de embriões murídeos (Blume & Marques Jr., 1994), no cultivo de embriões murídeos no estágio de uma célula e mantém a integridade das células depois da congelação-descongelação de embriões de ratas. Esses efeitos podem ser devidos à rica composição em açúcares, aminoácidos, proteínas, etc., presentes na água de coco.

A vulgarização do uso da água de coco está limitada, em primeiro lugar, à inexistência de padronização de insumo tão importante. Uma revisão bibliográfica sugere ter havido usos inadequados. Uma série de fatores como variedade, tipo de cultivar, idade, sanidade e fatores ambientais, influenciam substancialmente sua complexa composição. Sua labilidade tem, inclusive, dificultado os esforços de inúmeros pesquisadores, muitos deles ligados à industrialização, de obter na prateleira, a água de coco “in natura”, sob forma estável e duradoura.

Desde 1997 iniciou-se um estudo que levou à padronização do fruto que seria o ideal para a utilização em processos biotecnológicos. Uma vez selecionado o fruto ideal, buscou-se a estabilização da água de coco, fato logrado no início de 2002.

Com base nos primeiros resultados obtidos com a água de coco “in natura”, a padronização e estabilização da água de coco na forma de pó (ACP), em não perdendo suas características físico-químicas, garante a simplificação de sua utilização, podendo representar uma alternativa para a difusão de várias biotecnologias. Tal fato propiciou a padronização dos meios de conservação até então em estudo, não só para sêmen como para outros tipos celulares.

A invenção está baseada na padronização e estabilização da água de coco na forma de pó (ACP) e na subseqüente formulação dos meios de conservação, onde são acrescentados aditivos específicos, dependendo do tipo de material biológico a ser conservado. Referidos meios poderão ser utilizados para a conservação celular de todas as espécies animais, incluindo o homem.

Características e vantagens da ACP:

  • Confere estabilidade e longevidade de prateleira;
  • Não apresenta problemas de acondicionamento;
  • Supera toda e qualquer tecnologia de conservação existente;
  • Mantém as propriedades inerentes do produto original (água de coco);
  • Uniformidade do produto;
  • Adicionada a outros insumos, agrega valor ao endosperma líquido do coco.

Perspectivas da ACP:

  • Desenvolvimento de diluentes para células germinais de todas as espécies animais, incluindo o homem;
  • Meio de criopreservação espermática de todas as espécies animais, incluindo o homem;
  • Meio de capacitação de espermatozóides de todas as espécies animais, incluindo o homem;
  • Meio de manutenção, crescimento e maturação celular;
  • Meio diluente para vacinas virais animais;
  • Meio de coleta, lavagem, cultivo, manutenção, criopreservação de embriões de todas as espécies animais, incluindo o homem;
  • Meio de criopreservação de ovócitos de todas as espécies animais, incluindo o homem;
  • Meio de conservação e criopreservação de tecidos e órgãos para transplantes;
  • Meio de cultivo de microorganismos (fungos, bactérias, vírus), protozoários e insetos.

Conclusão:

Com base nos primeiros resultados obtidos com a água de coco “in natura”, a padronização e a estabilização da água de coco na forma de pó (ACP), em não perdendo as suas características físico-químicas, garante a simplificação de sua utilização, podendo apresentar uma alternativa para a difusão de várias biotecnologias. Tal fato propiciou a padronização dos meios de conservação até então em estudo, não só para sêmen como também para outros tipos celulares.

Nunes, J. F.1; Salgueiro, C. C. de M.2

1Prof. Titular da Universidade Estadual do Ceará – PPGCV; e-mail: ferreiranunes@hotmail.com

2Bolsista DCR-CNPq; e-mail: crismello76@hotmail.com

Referências Bibliográficas

ARAÚJO, A. A. Utilização da água de coco “in natura” com adição de gema de ovo como diluidor do sêmen caprino. Fortaleza, 1990. Tese (Mestrado em Produção e Reprodução de Pequenos Ruminantes da Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1990).

BLUME, H., MARQUES Jr, A. P. Avaliação da água de coco no cultivo e criopreservação de embriões murídeos. Rev. Bras. Reprod. Anim. v.18, p.97-104, 1994.

CRUZ, J. F. Conservação e fertilidade do sêmen ovino mantido à temperatura de +4ºC por um período de 48 horas diluído em frações ativas da água de coco. Fortaleza, 1994. Tese (Mestrado em Produção e Reprodução de Pequenos Ruminantes da Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1994).

FARIAS, J. O., NUNES, J. F., CARVALHO, M. A. M., et al. Avaliação “in vitro” e “in vivo” do sêmen de Tambaqui (Colossoma macropomum CUVIER) conservado à temperatura ambiente e criopreservado em água de coco. Rev. Cient. Prod. Anim., v.1, n.1, p.44-58, 1999.

FREITAS, V. J. F. Sincronização do ciclo estral e fertilidade de cabras submetidas a dois níveis de gonadotrofina coriônica (eCG) inseminadas artificialmente. Fortaleza, 1988. Monografia (Especialização em Produção e Reprodução de Pequenos Ruminantes da Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1988).

FREITAS, V. J. F. Parâmetros andrológicos e avaliação “in vitro” do sêmen de ovinos deslanados criados na região litorânea do Nordeste brasileiro em estação seca e chuvosa. Fortaleza, 1992. Tese (Mestrado em Produção e Reprodução de Pequenos Ruminantes da Universidade Estadual do Ceará – UECE, 1992).

MACHADO, R. Inseminação artificial com sêmen congelado em caprinos. Rev. Bras. Reprod. Anim. v.3, p.265-276 (suplemento), 1991.

MONTEZUMA Jr., P. A., VIANA NETO, R., NUNES, J. F. Utilização da água de coco “in natura”, com adição de gema de ovo, como diluente de congelação do sêmen canino, em paillets de 0,5ml. In: XXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA,1994, Olinda. Anais…Olinda, 1994, p.535.

NUNES, J. F. A inseminação artificial como método alternativo para o melhoramento da caprinocultura leiteira. In: SIMPÓSIO DA CAPRINOCULTURA DO ESTADO DO RIO, 1986, Niterói. Anais…Niterói, 1986.

NUNES, J. F. Coconut water as diluent for goat semen. In: IV CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE CAPRINOS, 1987,Brasília. Anais… Brasília, 1987.

NUNES, J. F., COMBARNOUS, Y., PRYSCILA, L. Utilisation d’une substance activa “JYP” présents dans l’eau de coco pour la conservation “in vitre” et la fertilité des spermatozoïdes de mammifères. S.I.: Sn., 1994.

NUNES, J. F., SALGUEIRO, C. C. M. Utilização da água de coco como diluente do sêmen de caprinos e ovinos. Rev. Cient. Prod. Anim., v.1, n.1, p.17-46, 1999.

RODRIGUES, A. P. R., TORRES, M. Z. G., OLIVEIRA, L.F., et al. Água de coco sob a forma estabilizada de gel e sua fração ativa adicionada ou não de gema de ovo como diluidores do sêmen caprino. In: XXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 1994, Olinda. Anais…Olinda, 1994, p.540.

SALGUEIRO, C. C. M., MATEOS-REX, E., SAMPAIO NETO, J. C., NUNES, J. F. Utilização de diferentes diluentes e métodos de congelamento do sêmen de bodes da raça Murciano-Granadina. Rev. Bras. Reprod. Anim., (em prelo), 2003.

SALLES, M. G. F. Água de coco (Cocus nucifera L.) “in natura” e sob a forma de gel e estabilizada como diluidor de sêmen caprino. Porto Alegre, 1989. Tese (Mestrado em Medicina Veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRS, 1989).

SOUSA, N. M., TEIXEIRA, M. D. A., OLIVEIRA, L. F. Água de coco sob a forma de fração ativa liofilizada adicionada ou não de gema de ovo e gel, como diluidor do sêmen ovino. In: XXIII CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 1994, Olinda. Anais…Olinda, 1994, p.583.

SOUZA, I. M., MIES FILHO, A. Congelação do sêmen de bode. efeito de duas soluções de lavagem. A Hora Veterinária. v.29, p.53-58, 1986.

TONIOLLI, R. Estudo das características “in vitro” do sêmen caprino de raças nativas do Nordeste brasileiro diluído em água de coco sob a forma “in natura”, estabilizada e de gel. Rev. Bras. Reprod. Anim. v.13, p.209-220, 1989a.

TONIOLLI, R. Conservação do sêmen suíno em água de coco. In: VIII CONGRESSO BRASILEIRO DE REPRODUÇÃO ANIMAL,1989b, Belo Horizonte. Anais…Belo Horizonte, 1989b, p.138-142.

TONIOLLI, R., MESQUITA, D. S. M. Fertilidade de porcas inseminadas com sêmen diluído em água de coco estabilizada e com B.T.S. Rev. Bras. Reprod. Anim. v.14, p.249-254, 1990.

UCHOA, D. C., CARDOSO, R. C. S., SILVA, L. D. M. Inseminação artificial a fresco em cadelas da raça Boxer com diferentes diluidores de sêmen. Rev. Bras. Reprod. Anim., Supl., n.5, p.150-152, 2002.

Fonte: http://www.sbpcnet.org.br/livro/57ra/programas/CONF_SIMP/textos/joseferreiranunes.htm