Catálogos técnicos e de produtos

Biodigestor trata resíduos suínos e humanos conjuntamente em SP

Experiência de sucesso oferece alternativa para tratamento de esgoto em pequenas comunidades rurais

Nivea Schunk
18/02/2010

Um projeto voltado para o saneamento básico no campo, conduzido pela Embrapa Instrumentação Agropecuária, inova com o tratamento conjunto dos resíduos suínos e humanos através de biodigestão anaeróbia. Coordenadas pelo pesquisador Wilson Lopes da Silva, os testes têm o intuito de disponibilizar à sociedade e aos órgãos governamentais um sistema relativamente barato e capaz de tratar o esgoto nas pequenas comunidades rurais.

— Nessas regiões, os dejetos são diretamente colocados na natureza ou nas fossas negras, que são buracos cavados no chão para depósito de esgoto. O ciclo de contaminação se dá porque essa água acaba penetrando no solo e contaminando o lençol freático, rios e poços caipiras — explica ele

Implementado na cidade de Cabrália Paulista, nas imediações de Bauru, em São Paulo, o experimento consiste na instalação de um biodigestor com 250 mil litros de capacidade, que absorve os resíduos de 50 animais e 100 alunos do semi-interno de uma escola agrotécnica. Os resultados preliminares têm demonstrado quase 100% de eficiência no tratamento de coliformes fecais e cerca de 95% de redução de carga de matéria orgânica.

A tecnologia, que proporciona ganhos sociais, econômicos e ambientais, tem produzido gás equivalente a um botijão de cozinha por dia e oito mil litros de efluentes tratados. E a grande capacidade de resposta do fertilizante, comprovada com pesquisas em pomares, já estendeu o seu uso às localidades periféricas da região.

— O foco é a saúde pública, mas a iniciativa propicia diversos outras vantagens. Na experiência da escola, por exemplo, a economia é de mil reais mensais de economia com o gás para cozinhar, separando ainda parte do produto para geração de energia elétrica. Também economizamos cerca de R$ 400 relativos à adubação do solo — ressalta.

Além dessa amortização nos custos de utilização do próprio biodigestor, há os benefícios ambientais, à medida que a técnica evita a emissão de gases tóxicos de efeito estufa, como o metano. A idéia é promover o conceito de propriedade rural sustentável e economicamente viável.

“A economia é de
mil reais mensais
com o gás para
cozinhar”

Wilson Lopes da Silva

 

Clique aqui, ouça a íntegra da entrevista concedida com exclusividade ao Portal Dia de Campo e saiba mais detalhes da tecnologia.

Fonte: http://www.diadecampo.com.br/zpublisher/materias/Materia.asp?id=21171&secao=Agrotemas