Suinos

Biodigestor é alternativa para suinocultor reduzir despesas com energia

06/11/14 – 14:23
Produtores de suínos da Zona da Mata reduzem em até 80% as despesas com energia elétrica com a utilização de biodigestores, processo que transforma dejetos de suínos em energia para as granjas, além de fertilizantes naturais para o pasto. Para orientar os suinocultores sobre a melhor utilização do biodigestor, o Sebrae Minas, por meio do programa Sebraetec, fará um diagnóstico para identificar a forma mais eficiente de geração de energia.

Dar destino correto a fezes e urina dos porcos sempre foi um problema para os criadores. Sem o manejo adequado, os dejetos atraem moscas, que podem transmitir doenças para rebanhos e seres humanos. Além disso, o esterco ao ar livre produz gases como dióxido de carbono e, principalmente, o metano, que são tóxicos.

Há alguns anos, os dejetos dos porcos eram lançados em várias lagoas de decantação e a água menos densa era despejada nos rios da região. Em 2000, uma empresa canadense estimulou os produtores a implantarem em suas granjas o biodigestor, uma espécie de lagoa lacrada com lona de PVC, que armazenava a parte líquida gerada pelos tanques de decantação. Pela ação de bactérias anaeróbias, a matéria orgânica, armazenada no biodigestor é decomposta e transformada em biogás.

“Com a ajuda de um gerador a queima do gás se transforma em energia, usada para abastecer as granjas. Além de tirar os dejetos do meio ambiente, conseguimos reduzir os custos em energia”, disse o suinocultor Frederico Soares.

Porém, naquela época, o biogás, constituído pelo gás carbônico e metano, era apenas queimado. Com a tecnologia, a queima do gás se tornou uma nova alternativa de geração de energia. “Com a ajuda de um gerador a queima do gás se transforma em energia, usada para abastecer as granjas”, explicou Soares.

Leia também

Preço da carne de frango frustra avicultor Acordo fortalece programa Minas Leite Emater intensifica o Pró-Genética Com o clima mais favorável, plantio de grãos tem início em Minas IMA pede a ministério a prorrogação do prazo para vacinar gado contra aftosa

Energia – Dos 110 produtores da região, cerca de 40% já possuem o biodigestor, sendo que a maioria utiliza a energia elétrica nas granjas. Porém, o biogás pode ser usado para a produção de energia elétrica, e de outras energias, como por exemplo, a cogeração (energia elétrica e térmica), e a trigeração de energia (elétrica, térmica e resfriamento).

“O biogás produzido pode ser usado como combustível em residências rurais próximas ao local de produção, no aquecimento de instalações para animais muito sensíveis ao frio ou no aquecimento de estufas de produção vegetal. Além da geração de energia elétrica, por meio de geradores acoplados a motores de explosão adaptados ao consumo de gás”, ressaltou o analista da Unidade de Agronegócios do Sebrae Minas, Fernando Ataíde.

Além da economia da energia gerada com o biogás, o líqüido contido no biodigestor é usado na fertirrigação, um adubo orgânico que irriga o pasto e fertiliza a terra. “Com isso economizamos água e fertilizantes, proporcionando uma melhor alimentação para o gado, além disso, não poluímos o ribeirão que passa dentro da fazenda”, observou o produtor Bernardo Martins.