Pecuária

Bahia Investe R$ 14 Milhões na Ovino-Caprinocultultura de Corte

O Governo da Bahia, por intermédio da Secretaria da Agricultura (Seagri), estabeleceu uma parceria para o desenvolvimento da ovino-caprinocultura de corte na região do semi-árido, que vai atender prioritariamente os agricultores familiares. Os primeiros contratos de financiamento que foram assinados ontem (26) incluem a conclusão dos frigoríficos de Jussara, Pintadas e Juazeiro, com a garantia de pleno funcionamento dessas unidades agroindustriais; e a aquisição de matrizes de qualidade, para melhoramento genético do rebanho.

A parceria envolve, além da Seagri, as secretarias estaduais de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), de Desenvolvimento Social e de Combate à Pobreza (Sedes); o Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Senai, Fundação Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e organizações sociais. Os recursos destinados ao projeto são de R$ 14 milhões, sendo que R$ 6 milhões e 700 mil serão liberados pelo Governo do Estado, o que representa 49% dos investimentos.

Postura Empreendedora

O diretor superintendente do Sebrae, Edval Passos, destacou que “o sucesso de um negócio não depende apenas de crédito, mas também de assistência técnica e do envolvimento de todo o a setor produtivo”. “Temos que orientar o produtor a investir em qualidade e adotar uma postura empreendedora, avançando desde a melhoria genética até a comercialização”, disse. O prefeito de Pintadas, Valcir Almeida Rios, disse que “o crescimento da ovino-caprinocultura vai beneficiar os municípios, através da geração de emprego e renda. Esse projeto vai fazer com que a atividade deixe de ser apenas uma cultura de subsistência, para se tornar um empreendimento economicamente viável”.

“Com apoio técnico e crédito vamos expandir a criação, oferecendo um produto de qualidade e com preços mais vantajosos. Melhorando a produção, a gente melhora de vida”, ressaltou Vanderlan Araújo da Silva, produtor de caprinos e ovinos na região de Jussara. O secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, Ildes Ferreira, disse que “ao investir na qualidade da carne, oferecer novas técnicas de manejo e estabelecer condições para a comercialização, estamos dando novo impulso a ovino-caprinocultura. Diante das exigências do consumidor, o produtor que não utilizar novas tecnologias para melhorar seu rebanho está fora do mercado”, comentou.

O secretário de Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária, Geraldo Simões, lembrou que a política adotada pelo governador Jaques Wagner é investir no semi-árido está melhorando as condições de vida numa região que abrange 70% do território baiano e concentra municípios com os piores índices de desenvolvimento humano na Bahia. Simões destacou que a criação de caprinos e ovinos tem se revelado uma atividade capaz de gerar emprego e renda, dando um novo impulso à economia da região, que abrange 265 municípios. “Quando estabelecemos parcerias envolvendo o setor público, instituições de crédito, cooperativas e movimentos sociais, as chances de êxito são bem maiores”, afirmou.

Sertão Produtivo

A Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf) e da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), órgãos da Seagri, oferecerão assistência técnica e realizará investimentos complementares na infra-estrutura dos frigoríficos, fornecimento de animais geneticamente melhorados e sêmen, além da distribuição de kits para ensilagem de forrageiras como reserva estratégica alimentar o rebanho para o período de estiagem.

As ações fazem parte do programa de verticalização da produção, o Sertão Produtivo que têm como foco a caprino-ovinocultura, atividade desenvolvida por agricultores familiares, abrangendo toda a cadeia produtiva. A conclusão das unidades de processamento de carne, couro e artefatos beneficiará seis mil produtores. Os frigoríficos atenderão à produção dos territórios de Irecê, Bacia do Jacuípe e Sertão do São Francisco.

Fonte: Seagri – BA

http://www.nogueirafilho.com.br/arquivos_noticias/seagribahia.htm