Manejo reprodutivo em gado de leite: como obter índices de sucesso

A atual palavra de ordem no contexto da bovinocultura do país é a “eficiência”. Cada vez mais o controle das etapas relacionadas à produção se tornam imprescindíveis para o sucesso da exploração. Uma das áreas que merece maior atenção é a reprodução, por estar intimamente relacionada à produtividade e, em conseqüência, à rentabilidade da atividade. O intervalo de partos médio do rebanho leiteiro nacional é maior que 18 meses, uma baixa e indesejável performance.

A primeira atitude para se mudar esta realidade em cada rebanho assistido é mostrar aos proprietários o enorme prejuízo decorrente de um mau desempenho reprodutivo. O segundo passo constaria de uma análise das condições da propriedade. Cada uma delas apresenta particularidades próprias (características do rebanho, topografia, condições de manejo, etc) que impossibilitam a adoção de uma mesma recomendação para todas, havendo a necessidade de uma avaliação caso a caso.

Como último e terceiro passo, definidas as potencialidades de cada propriedade, implementar as medidas que busquem uma melhoria constante na eficiência reprodutiva. Um bom programa de controle reprodutivo deve se basear em um conjunto de atividades que visam maximizar a performance reprodutiva de um determinado plantel, dentro das suas características próprias. É importante não acreditar em fórmulas pré-fabricadas, que podem ter funcionado em outra situação ou propriedade.

Para análise da situação inicial do plantel, qualquer informação anterior é importante. Além disto, todos os animais em idade reprodutiva devem ser examinados, pois mesmo que haja uma informação anterior sobre este ou aquele animal, um novo exame deve ser realizado, para confirmação ou não da informação fornecida, obtendo-se um diagnóstico mais preciso da real situação reprodutiva de cada animal.

Com as informações da escrituração existente e os resultados do exame de todos os animais, devem ser elaborados os índices possíveis de serem obtidos imediatamente, como intervalo de partos, % de vacas gestantes, relação entre secas e em lactação, etc. Isto é imprescindível para uma visão geral da situação existente, o estabelecimento de prioridades de atuação e da constatação de uma situação inicial para comparações futuras, depois de iniciado o programa de controle.

Para as anotações de campo, existe um mínimo necessário de informações a se coletar, independente do sistema de controle. As anotações mais importantes estão na tabela 1. Elas devem ser utilizadas frequentemente para análises rápidas e periódicas, e futuramente para obtenção de índices, estudos de performance de cada animal etc.

Tabela 1. Anotações mínimas necessárias num programa de controle reprodutivo.

Fonte:

http://www.milkpoint.com.br/manejo-reprodutivo-em-gado-de-leite-como-obter-indices-de-sucesso_noticia_61798_64_141_.aspx