Shared Value: mais do que um investimento social, uma estratégia de negócios

geralt (CC0), Pixabay

Ainda há muitas dúvidas e interpretações, por vezes erradas, sobre o que é e qual a importância do Shared Value. O IDIS convidou o Diretor Sênior de Desenvolvimento de Negócios na Charities Aid Foundation (CAF) America, John Holm, para uma conferência online sobre o tema.  Um dos maiores nomes no assunto, tendo passado por empresas como IKEA, Subway e Starbucks, John fez uma palestra muito objetiva, chamando as empresas para uma reflexão.

Segundo ele, é preciso entender que Shared Value é uma estratégia de negócios, mais do que uma ação social.

“Trata-se de uma estratégia de negócios rentável que entrega benefícios sociais tangíveis”, explica o diretor da CAF. É importante que a empresa foque na questão social com critérios e faça a escolha correta na hora de investir, sempre pensando na comunidade, mas também na melhoria do seu negócio.

Ele deixou claro que o Shared Value não pretende resolver os problemas do mundo, mas está relacionado a melhorar os ganhos da empresa com os ganhos da sociedade.

Há uma escala de priorização dos temas sociais que pode servir de parâmetro para uma empresa:

  1. Tema Social Genérico – não é significativamente afetado pelas operações de longo prazo da empresa.
  2. Tema Social de Impacto Social na Cadeia de Valor – é significativamente afetado pela atividade da empresa.
  3. Tema Social de Contexto Competitivo – afeta significativamente a competitividade da empresa, na localidade em que atua.

Para facilitar a compreensão, John exemplificou: “se o McDonald’s adotar a causa da malária, será um Tema Social Genérico porque não está diretamente ligado à sua cadeia produtiva; se a Glaxo, uma empresa farmacêutica, adotar esse mesmo tema, será um Impacto Social na Cadeia de Valor, porque tem relação com a atividade da empresa. Mas se a Anglo American adotar este tema na África, onde os funcionários perdem dias de trabalho por estarem com a doença, será um Tema Social de Contexto Competitivo e terá impacto direto na produtividade”, completa.

Fonte: www.idis.org.br