Gestão da Qualidade do Café – Clientes

Este ponto necessita de uma análise especial, pois são vários os tipos de clientes que uma empresa deve considerar. Eles são basicamente de três tipos:

. Clientes externos (usuários, aqueles que recebem, compram e/ou utilizam o produto).

. Clientes internos (os funcionários da empresa, que são clientes dos processos anteriores àqueles nos quais eles estão trabalhando).

. Clientes em sentido amplo (aqueles que são afetados de alguma maneira pelos produtos – indesejáveis – da empresa, mesmo que não sejam usuários dos produtos desejáveis)

Pode-se apresentar o seguinte exemplo explicativo, onde se gera a seguinte cadeia:

· Clientes Externos

·       Para o Cafeicultor, clientes externos são as cooperativas de cafeicultores, assim como as empresas privadas de exportação.

·       Para as Empresas exportadoras, os clientes externos são os torrefadores no exterior

·       Para os torrefadores, os clientes externos são os supermercados e comércios varejistas

·       Para os supermercados e comércios varejistas, o cliente externo é o consumidor final.

Por sua vez, os clientes internos, por exemplo, para os que preparam as mudas, serão constituídos por aqueles que terão como tarefa o passo seguinte, ou seja, o transplante; por sua vez, o responsável pela compra de insumos terá como cliente o engenheiro agrônomo responsável pela produção. Já os clientes em sentido amplo correspondem, por exemplo, à comunidade, representada pelas famílias afetadas pela contaminação pelo lançamento da polpa de café nos cursos dóágua, tornando-as inaptas para o consumo humano, inapropriadas para a sobrevivência de espécies piscícolas e ainda através de odores fétidos, impurificam o ar.

Assim, qualidade intrínseca, custo, atenção e segurança têm a ver com o cliente externo; motivação com o cliente interno (funcionário); custo com o cliente interno (acionista, proprietário), segurança com cliente em sentido amplo.

A definição cuidadosa do cliente e do produto específico para cada nível da organização não é uma mera curiosidade acadêmica. é em função dela que será possível definir a forma em que cada nível deverá se instrumentar para satisfazer seus clientes específicos.

A identificação mencionada nos leva a um ponto crucial: conhecer os fatores ou características que os clientes gostariam que fossem levadas em conta no produto, assim como saber aqueles que são considerados prejudiciais.

é necessário se deter com certo detalhe nestes assuntos, pois uma identificação errada de produtos e clientes pode afetar severamente a qualidade de desempenho no setor específico e portanto da organização como um todo.

Fonte:

 http://br.monografias.com/trabalhos908/gestao-qualidade-cafe/gestao-qualidade-cafe2.shtml