Gestão da qualidade do café – qualidade total

O conceito de Qualidade Total é amplo e dinámico. Em princípio, ele está ligado à satisfação total do consumidor, procurada tanto de forma interna (eliminando os fatores que não agradam ao consumidor, segundo pesquisas de mercado feitas), como externas (através da antecipação das necessidades do consumidor, incorporando-as às características detectadas nos produtos e serviços).

Reconhece-se que a Qualidade Total está composta por cinco dimensões .

a) Qualidade intrínseca do produto (ou serviço) – Em sentido amplo, refere-se especificamente às características inerentes ao produto (ou serviço) e daí o nome de intrínsecas, capazes de fornecer satisfação ao consumidor. Isto implica uma série de aspectos tais como: ausência de defeitos, adequação ao uso, características agradáveis ao consumidor, confiabilidade, previsibilidade, etc. No caso do café, esta dimensão pode ser refletida através do sabor ou do tamanho do grão, por exemplo.

b) Custo do produto ou serviço – Naturalmente que, quanto menor o preço do produto ou serviço, maior será a satisfação do consumidor. Mas isso não implica numa relação linear perfeita. Acontece que um elemento fundamental é o conceito de valor , ou seja, o que o consumidor estaria disposto a pagar pelo produto (ou serviço). Portanto, seu preço deverá levar em conta o valor que o produto tem para o usuário. O ideal é que o preço seja igual ou algo menor ao valor estabelecido. O custo dos insumos, tais como combustíveis, fertilizantes químicos e agrotóxicos é atualmente muito alto. é este, pois, um aspecto de vital importáncia na avaliação de processos que levam à melhoria da qualidade na cafeicultura.

Por exemplo: Se um comprador está disposto a pagar 150 dólares por uma saca de café (valor que ele lhe atribui) e o vendedor oferece o mesmo preço (150 dólares) ou um pouco menos (digamos 145), o negócio é interessante para ambas as partes. Já se o preço fosse R$ 170, talvez o comprador desista, e se fosse R$ 130 é claro que ficaria interessado, mas não seria conveniente para o vendedor, que poderia lucrar um pouco mais.

c) Atendimento. O cliente deve receber o produto no prazo certo, no local certo e na quantidade certa. Além disso, deve ser atendido com boa vontade, cortesia e amabilidade. No caso que corresponda, deve existir uma boa organização de assistência técnica (por exemplo, no tocante a máquinas agrícolas), assim como pronta devolução de produtos defeituosos (por exemplo, tampas de vidro de café solúvel danificadas ou pacotes de café moído rasgados). No caso de produtos “in natura”, principalmente os perecíveis, o prazo de entrega passa a ser um item vital.

d) Segurança. é fundamental que o produto não ameace a saúde do consumidor, seja diretamente, através de sua ingestão, ou indiretamente, através de tratamentos feitos durante o plantio. Na cafeicultura, o nível de resíduos tóxicos contidos nos alimentos produzidos, assim como a poluição de solos e águas precisa estar necessariamente muito baixo se queremos falar de Qualidade Total.

e) Moral. Refere-se à disposição e motivação que os empregados da empresa manifestam. Para que isto aconteça, “a empresa deve se esforçar para pagar-lhes bem, respeitando-os como seres humanos e dando-lhes a oportunidade de crescer como pessoa e no trabalho, vivendo uma vida feliz” (Campos, 1992). Uma das formas de avaliar o moral é através do nível de absenteísmo.

Fonte:

 http://br.monografias.com/trabalhos908/gestao-qualidade-cafe/gestao-qualidade-cafe2.shtml