Milho

Aprosoja pleiteia incentivo para etanol de milho em Mato Grosso

Publicado em 25/09/2015

Medida impulsionaria a fabricação de combustível feito a partir dos grãos produzidos no Estado

A viabilidade da fabricação de etanol de milho em Mato Grosso vem sendo discutida em encontros promovidos pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) pelo interior do estado. Na segunda (21) e terça (22), os municípios de Sorriso e Campo Novo do Parecis receberam o evento, Rondonópolis sedia o Encontro Etanol de Milho na sexta (02).

De acordo com o conselheiro consultivo da Aprosoja, Glauber Silveira, para impulsionar a produção de etanol de milho em Mato Grosso, a associação levou ao governo do Estado a sugestão de criação de um incentivo especial para o etanol. “Atualmente, para cada real investido pelo produtor, há o prejuízo de R$ 0,64. Com o incentivo, haveria um lucro de até R$ 5,14. Além disso, o governo do Estado arrecadaria cerca de R$ 440 milhões”, explica Silveira.

Mato Grosso tem potencial para utilizar 10 milhões de toneladas de milho para a produção de etanol, mas atualmente apenas 220 mil toneladas são utilizadas para produzir 88 mil litros de combustível. “Hoje, o faturamento bruto com milho é de R$ 2,7 bilhões. Com a transformação do grão em etanol, DDG, cogeração de energia, entre outros, este valor subiria para R$ 14 bilhões. Pense em quanto de imposto isso geraria para o Estado”, analisa Glauber.

O diretor da Aprosoja acredita que há demanda para o etanol de milho, pois são produzidos no Estado um bilhão de litros do combustível – metade é consumida internamente, a outra é exportada. “O contraditório é que em Mato Grosso se consome um bilhão de litros de gasolina porque há instabilidade na produção do etanol. Com maior produção e incentivo ao consumo deste combustível, o mercado absorveria a produção”, afirma.

Além da fabricação de etanol, os produtores que investirem em usinas flex ou full poderão também produzir DDG (subproduto utilizado para ração animal) e cogeração de energia, além de plantio de eucaliptos para alimentar as usinas. “Estamos levando uma oportunidade para o produtor rural de Mato Grosso, incentivando a agregação de valor e a receptividade é muito boa nas reuniões”, finaliza Silveira.

Fonte: Aprosoja MT