Leite

Aos 18 anos, jovens estão prontos para atuar na produção de leite

Cecília Paula Lima tem 18 anos e é do Vale do Anari, em Rondônia. Após concluir o ensino médio técnico em agropecuária, se mudou para Coronel Pacheco, em Minas, e passou os últimos dez meses em imersão no programa de Residência Zootécnica da Embrapa Gado de Leite, para cumprimento do estágio curricular obrigatório. Ficou longe dos pais, mas fez dos 28 colegas da especialização uma nova família. No dia 20, a turma concluiu a etapa, apresentando oralmente resultados do aprendizado e, em seguida, participando de uma cerimônia de entrega dos certificados.
O valor do esforço foi expressado por José Ronaldo Filho: “Não me arrependo hora alguma de estar aqui. Agradeço à Embrapa pela oportunidade”, diz. Assim como ele, a maioria dos jovens que integrou o programa veio de longe. São de oito estados: Rondônia, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Pernambuco, Bahia, Alagoas, Minas Gerais e Rio de Janeiro. “Esse trabalho mostra a importância social que a Embrapa tem. Além de gerar tecnologias há quatro décadas, a Empresa vem formando pessoas que vão transformar diferentes regiões. Na Residência, recebemos garotos com potencial muito grande e conhecimento acumulado, que conseguiram nos ajudar ao trazer suas visões regionais. Fico muito feliz em saber que outras unidades da Embrapa estão se preparando para reproduzir esta experiência”, expressa o chefe-geral, Paulo Martins.
A Residência Zootécnica foi criada em 2001. É uma modalidade de estágio que se baseia no método aprender fazendo. Reúne formação teórica e prática conferida por pesquisadores e técnicos da Embrapa no Campo Experimental José Henrique Bruschi. Aborda manejo, trato e alimentação de bovinos, nos diferentes sistemas de produção de leite e, também, prática de coleta de dados de experimentos com animais e plantas forrageiras. São estudados, ainda, conteúdos sociais, culturais e comportamentais, que proporcionam aos estudantes vivência em ambientes e situações reais do exercício da futura profissão.
Como trabalho final, o grupo acompanhou e avaliou quatro propriedades de leite da Zona da Mata Mineira, aplicando conhecimentos adquiridos em áreas como manejo, sanidade, nutrição, bem-estar e gestão. Esta foi uma novidade do programa em 2014, implantada após pesquisa junto aos alunos dos anos anteriores, que apontaram pontos fortes e oportunidades de melhoria. Na primeira semana de dezembro, os produtores receberão os relatórios originados, documentos estes que confirmam a capacidade adquirida para prestar assistência técnica e gerenciar sistemas intensivos e extensivos de produção de leite, bem como transferir tecnologias para produtores rurais.
Na apresentação final dos alunos, Geidson Duarte afirmou que “quanto mais difícil, melhor era”. Sente ter “crescido cinco anos em dez meses”. Já José Ronaldo Filho vai além e declara: “Tudo o que é de vaca, hoje sabemos falar. A gente pode discutir até com um doutor!”. Esta segurança é resultado da dedicação, que os motivou a usar até as horas de folga para aprender mais. A turma formou um grupo de estudo em nutrição para bovinos leiteiros sob orientação do estudante de doutorado Carlos Alberto. O chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia, William Bernardo, se surpreende com o desempenho da turma e demonstra admiração: “É satisfatório ver alunos de escolas agrotécnicas lendo, interpretando e fazendo apresentações orais de artigos científicos”.
Os residentes também foram a eventos técnicos da Embrapa e participaram da Semana do Fazendeiro, realizada pela Universidade Federal de Viçosa (MG). “Juntamos o dinheiro de todos e alugamos uma van. Só que o único dinheiro que tínhamos era o valor do aluguel da van!”, relata Yara Gaspar. Este desprendimento também foi percebido na inauguração da Sala de Inclusão Digital da Embrapa. Dez jovens se ofereceram para atuar como voluntários, ajudando os trabalhadores de campo e seus familiares a acessarem a Internet, executarem funções básicas de informática e usarem programas como Word e Excel.
Mercado de trabalho – A Residência Zootécnica representa um diferencial no currículo dos jovens, o que tem garantido boas oportunidades de inserção destes no mercado de trabalho ao longo da história do programa de formação técnica. Interessados em contratá-los podem obter mais informações pelo telefone (32) 3311-7475.
Próxima turma – A Embrapa já está recebendo pedidos de inscrição de alunos de IFETs e escolas estaduais para a Residência Zootécnica em 2015. Serão oferecidas 25 vagas. Os participantes recebem alojamento, alimentação, material didático, seguro de vida e de acidentes pessoais. Parceiro do programa, o Ministério do Desenvolvimento Agrário garante aos alunos bolsa de estágio. A solicitação deve ser feita pela própria escola. Mais informações com Marcello Souza pelo e-mail cnpgl.estagio@embrapa.br.

Carolina Pereira (Mtb 11055-MG)
Embrapa Gado de Leite

Telefone: (32) 3311 7458

Mais informações sobre o tema
Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)
www.embrapa.br/fale-conosco/sac/