Soja

Análise de Mercado – Soja – 18/04 a 29/04

Após recente queda dos preços, os futuros da soja encerraram a sexta com fortes e expressivas altas

Fonte: Agrocim

Devido à redução de compras de soja dos Estados Unidos e da América do Sul pela China, dados do Cepea apontam que os preços da soja e derivados no mercado interno, caíram no início da semana. Porém, mesmo diante deste fato, a expectativa de produção recorde continuou a pressionar os valores no mercado, uma vez que, nos grandes estados produtores, como Paraná e Mato Grosso, não houve notícia de perdas.

No Brasil, o estado do Mato Grosso é o que possui a maior produção do país, e apesar dos problemas sofridos devido ao clima pelas fortes e constantes chuvas neste ciclo, a produção neste Estado deve registrar recorde com 20,3 milhões de toneladas (8,3% maior que a safra anterior). Além disso, o grão pode ampliar o valor bruto de produção (VBP) para R$ 33,3 bilhões este ano neste Estado. Outro motivo de comemoração para os sojicultores de MT é a produtividade por hectare, que deve superar 53 sacas frente às 50 sacas da safra anterior.Tal crescimento deixa essa safra com a melhor produtividade da história do Estado, conforme Otávio Celidonio, superintendente do Imea. Para ele, o principal motivo que levou a essa boa produtividade foi a baixa incidência da ferrugem asiática nas lavouras.

No Estado, mesmo com a queda dos preços, eles se encontram ainda acima da média histórica nas principais regiões produtoras. Em Campo Verde, os compradores ofertaram R$ 36,50 a saca de 60 quilos. Em Canarana, o preço foi mantido por R$ 40/saca; em Primavera do Leste, a cotação atingiu R$ 37,00; em Sapenzal, R$ 36,50/saca e, em Lucas do Rio Verde, R$ 34,60.

Além dos já citados, outros fatores que deram sustentação ao preço da soja, na Bolsa de Chicago foram: o atraso do plantio nos Estados Unidos em decorrência às suas condições climáticas não favoráveis e, a fraqueza do dólar frente ao euro. Os ganhos no mercado de oleaginosas na Ásia  também atuaram como suporte e reduziram o impacto da fraca demanda e da entrada da grande safra sul-americana no mercado.

Porém, as expectativas de produção e os fatores externos que deram sustentação ao mercado, não foram suficientes para manter o preço da oleaginosa firme. A confirmação do cancelamento de seis a oito carregamentos da soja dos Estados Unidos, por parte da China e, um possível aumento da área de soja em relação ao milho, devido ao atraso do plantio do grão nos EUA, pressionou o mercado, refletindo negativamente nos preços.

Em meio a tantas oscilações ocorridas no período, incluindo uma forte queda dos preços na última quinta-feira (28), os preços voltaram a subir nos mercados, tanto interno quanto externo. No Brasil as cotações foram impulsionadas pelos maiores valores para a exportação e, no mercado internacional, o impulso veio das preocupações quanto ao cultivo da safra norte-americana.

Na última sexta-feira (29), os futuros da soja fecharam com mais de 30 pontos de alta. Este avanço foi reflexo da volta dos compradores ao mercado após a recente queda dos preços. Além disso, o recuo do dólar tornou a oleaginosa mais atrativa para os importadores e investidores. A soja encontra também, suporte na previsão de tempo favorável para o milho nos Estados Unidos. A medida que as condições melhoraram para o plantio do milho, o risco do aumento da área para o plantio da soja poderia ser limitado.

Com relação às cotações, os futuros da soja fecharam a sexta-feira em alta na Bolsa de Chicago. Os contratos com vencimento próximo, em Maio de 2011, fecharam com variação de +42,55 (cents/US$), no pregão diurno. Conforme o indicador Cepea/Esalq (Soja-Paraná), a saca de 60 quilos fechou em R$ 44,00, com variação de +0,05% em relação ao dia anterior. De acordo com o indicador Cepea/Esalq/BM&FBovespa – Paranaguá, a saca fechou em R$ 47,23, variação de +0,02% em relação à quinta-feira.

Fontes: Gazeta Digital; Diário de Cuiabá; Gazeta do Sul; DCI; Cepea; Notícias Agrícolas.

Analista: Nathália Olímpia Torres Oliveira Silva – Centro de Inteligência em Mercados (CIM)

http://www.agrocim.com.br/analise/Analise-de-Mercado–Soja–1804-a-2904.html