Cana de Açúcar

Açúcar: Exportações e maior produção de etanol elevam preços do cristal

Publicado em 07/10/2015

Cepea, 07 – As cotações internas do açúcar cristal estão em alta desde meados de agosto, mesmo sendo período de safra no Centro-Sul, conforme aponta o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. O principal motivo é a vantagem que a exportação tem mantido frente ao mercado doméstico, influenciada pela valorização do dólar sobre o Real. Além disso, a atual temporada deve ser mais alcooleira que as anteriores.

Nos últimos dias, após o anúncio do reajuste da gasolina e da alta do etanol, o cristal vem se valorizando com mais força. Do começo da semana passada até ontem, dia 6, o Indicador CEPEA/ESALQ do açúcar cristal cor Icumsa entre 130 e 180, no estado de São Paulo, teve alta de 9,7% ou de 5,15 reais por saca, fechando a R$ 58,43/saca de 50 kg.

Cálculos de Cepea mostram que, na semana passada, a remuneração com as vendas externas foi 15,43% superior à obtida com as vendas de açúcar cristal no spot paulista. Enquanto a média semanal do Indicador de Açúcar Cristal CEPEA/ESALQ foi de R$ 54,92/sc, as cotações do contrato nº 11 da ICE Futures com vencimento em Março/16 equivaleriam a R$ 63,40/sc. Para esse cálculo, foram consideradas as médias semanais de US$ 49,34/t de fobização, de US$ 59,00/t de prêmio de qualidade e dólar a R$ 4,01.

Já em relação ao etanol, que também tem tido fortes valorizações, o cristal no mercado spot paulista mantém grande vantagem. Cálculos do Cepea mostram que, na última semana, o cristal remunerou 20,8% a mais que o anidro e 21,7% a mais que o hidratado no mercado paulista.

Em setembro, pela primeira vez nesta safra, a média do açúcar cristal superou a do mesmo mês do ano passado em termos reais (valores corrigidos pelo IGP-DI base agosto/15). A média do Indicador CEPEA/ESALQ no último mês, de R$ 51,06/saca de 50 kg, esteve 5,9% acima da média real de setembro/14 (R$ 48,22/saca de 50 kg) e foi 8,85% maior que a de agosto/15 (R$ 46,91/saca de 50 kg). No acumulado de setembro, a alta foi de expressivos 15,5%.

Os volumes captados pelo Cepea referentes às negociações no spot também superaram os de agosto, mas ainda foram inferiores aos de setembro/14. A demanda, apesar de se mostrar um pouco mais aquecida nos últimos meses, ainda segue limitada, por conta do enfraquecimento da economia nacional.

Fonte: Cepea