Pecuária

Abate de suínos cresce 2,3% em 2014

20/03/15
Abate de frangos também aumentou no período e variou 1,9%. Além disso, a produção de ovos e leite apresentou crescimento de 3,1% e 5,0%; respectivamente

Em 2014, o abate de frangos e suínos totalizou 5,496 bilhões e 37,118 milhões de unidades, respectivamente.

Esses resultados, na comparação com 2013, representam crescimento de 1,9% e 2,3%; respectivamente.

Por outro lado, se comparado a 2013, o abate de bovinos apresentou queda de 1,5% em 2014, atingido 33,907 milhões de cabeças.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e fazem parte das Pesquisas Trimestrais do Abate de Animais, Trimestral do Leite, Trimestral do Couro e Produção de Ovos de Galinha.

Frango

No 4º trimestre de 2014, o abate 1,406 bilhão de cabeças de frango foi 3,7% acima do registrado no mesmo trimestre de 2013. Na comparação com o trimestre anterior, o resultado ficou estável (-0,1%).

No comparativo entre o 4º trimestre de 2014 e o de 2013, a região Sul aumentou sua participação no total do abate, passando de 59,7% para 60,0%, um aumento de 4,2% no número de cabeças de frangos abatidas. Em relação às

Na comparação entre o 3º e 4º trimestres de 2014, a região Sul apresentou queda de 1,7% no volume de cabeças abatidas. Em contrapartida, as demais regiões apresentaram aumentos: 1,9% no Sudeste, 3,5% no Centro-Oeste, 0,5% no Nordeste e 7,7% no Norte.

No acumulado do ano de 2014, o peso acumulado das carcaças no abate de frangos alcançou 12,520 milhões de toneladas; 4,6% acima registrado no ano anterior.

A região Sul respondeu por 60,4% do abate nacional de frangos. Houve aumento de 1,0% na sua participação nacional em comparação a 2013, reflexo do aumento de 3,6% no volume de cabeças abatidas.

Os três estados da região colaboraram positivamente com esse desempenho, principalmente, o Paraná, que lidera o ranking nacional dos produtores e apresentou aumento de 75,291 milhões no número de cabeças abatidas.

Suínos

As 9,495 milhões de cabeças de suínos abatidas no 4º trimestre de 2014 representaram queda de 1,6% em relação ao trimestre imediatamente anterior e aumento de 5,3% na comparação com o mesmo período de 2013.

No período, o peso acumulado das carcaças alcançou 802,448 mil toneladas, representando queda de 3,8% em relação ao trimestre imediatamente anterior e aumento de 6,0% em relação ao mesmo período de 2013.

A região Sul respondeu por 65,3% do abate nacional de suínos no 4º trimestre de 2014, seguida pelas regiões Sudeste (19,6%), Centro-Oeste (13,8%), Nordeste (1,2%) e Norte (0,1%).

No comparativo entre o 4º trimestre de 2014 e o de 2013, a região Sul apresentou aumento de 5,8% no número de cabeças abatidas. Esse resultado representa uma ampliação de 0,3% na participação da região no abate nacional.

Nesse resultado há o incremento de 8,7% no volume de cabeças abatidas em Santa Catarina e de 6,2% no Paraná. Quando o comparativo é feito com o 3° trimestre de 2014, a região Sul apresentou variação negativa (-2,7%) no volume de cabeças abatidas.

A série anual mostra que houve crescimento ininterrupto desta atividade desde 2005, culminando com novo patamar recorde em 2014.

O peso acumulado das carcaças de suínos em 2014 alcançou 3,192 milhões de toneladas, representando aumento de 2,4% em relação ao ano anterior.

Bovinos

O abate de bovinos no 4º trimestre de 2014 foi de 8,525 milhões de cabeças, 0,7% acima do registrado no trimestre anterior. Na comparação com o 4º trimestre de 2013, houve queda de 4,1%.

No 4º trimestre de 2014, a produção de 2,059 milhões de toneladas de carcaças bovinas registrada foi 0,9% maior que a obtida no trimestre imediatamente anterior e 3,7% menor que a no mesmo período de 2013.

Em to o Brasil houve o abate de 362.704 cabeças de bovinos a menos no 4º trimestre de 2014, na comparação com igual período do ano anterior, tendo como destaque: Mato Grosso, Rondônia, São Paulo, Goiás e Tocantins.

Em 2014, a produção foi de 8,063 milhões de toneladas de carcaças bovinas. Esse resultado é 1,3% menor que o alcançado no ano anterior. O abate de 505.271 cabeças de bovinos abatidas a menos em 2014 teve com destaque Mato Grosso, Rondônia, Mato Grosso do Sul, Goiás, Piauí e Tocantins.

Ovos

No 4º trimestre de 2014, a produção de ovos de galinha foi de 718,732 milhões de dúzias. Se comparado ao mesmo período de 2013, houve aumento de 3,2%. Na comparação com o 3º trimestre de 2014, observou-se redução da produção (-0,2%).

No comparativo entre o 3º e o 4º trimestres de 2014, as regiões Sudeste e Sul puxaram a redução da produção de ovos de galinha. O Nordeste foi a região que mais aumentou a produção (3,1%), o que foi registrado em todos os estados que a compõe, à exceção do Rio Grande do Norte.

Seguindo o comparativo entre o 4º trimestre de 2013 e o de 2014, observou-se aumentos de produção em todas as regiões, exceto na Norte e na Centro-Oeste.

A região Sudeste teve aumento de 4,4% em sua produção. No Nordeste todos os estados aumentaram suas produções de ovos de galinha, principalmente o Ceará e Pernambuco. No Sul houve o aumento foi de 2,9%.

A produção anual de ovos de galinha registrou aumento de 3,1% no comparativo entre 2013 e 2014. A produção anual foi de 2,826 bilhões de dúzias em 2014, o maior número alcançado na série iniciada em 1997.

Se comparado a 2013, foram registradas quedas da produção de ovos de galinha em Goiás (-4,8%), Santa Catarina (-3,7%) e no Amazonas (-3,9%).

Por outro lado, São Paulo e o Espírito Santo registraram crescimento sensível em suas produções. O mesmo comportamento foi verificado no Rio Grande do Sul.

Leite cru

No 4º trimestre de 2014, aquisição de leite cru foi de 6,528 bilhões de litros, queda de 0,2% sobre o 4º trimestre de 2013 e aumento de 4,8% sobre o 3º trimestre de 2014.

A industrialização, por sua vez, foi de 6,517 bilhões de litros, refletindo em aumentos de 0,1% sobre o mesmo período de 2013 e de 4,8% sobre o 3º trimestre de 2014.

No comparativo entre o 4º trimestre de 2014 e o trimestre imediatamente anterior houve aumento da aquisição de leite em todas as regiões, à exceção da Sul, queda de 3,4%.

No Sul a queda foi puxada pelo Rio Grande do Sul (-10,2%). As regiões Sudeste, Centro-Oeste e Norte apresentaram as maiores variações positivas, respectivamente 7,1%; 18,5% e 17,1%.

A aquisição de leite registrou aumento no Nordeste (11,2%), no Centro-Oeste (2,0%) e no Sul (0,4%) no comparativo entre os 4os trimestres de 2013 e 2014. O Sudeste e o Norte reduziram suas aquisições em percentuais relativos a 2,5% e 3,9%.

Já em todo o ano de 2014, a aquisição de leite foi de 24,741 bilhões de litros, aumento de 5,0% sobre o registrado em 2013. Em termos regionais e mantendo ainda o comparativo entre 2013 e 2014, todas as regiões apresentaram aumento da aquisição de leite, exceto o Norte, com redução relativa de 3,2%.

Couro

A aquisição de couro foi de 8,789 milhões de peças no 4º trimestre de 2014. Esse número foi 4,6% menor que o registrado no trimestre imediatamente anterior e 8,4% menor que o registrado no 4º trimestre de 2013.

Quanto à origem couro, a maior parte teve procedência de matadouros e frigoríficos, seguida pela prestação de serviços, respondendo juntos por 91,3% do total apurado no 4º trimestre de 2014.

No 4º trimestre de 2014, foram curtidas 8,888 milhões de peças, representando quedas de 3,6% e 7,3% em relação ao total industrializado no trimestre imediatamente anterior e no 4º trimestre de 2013, respectivamente.

O principal método utilizado para o curtimento foi ao cromo (96,81%), seguido pelo tanino (3,15%) e outros métodos de curtimento (0,04%).

No acumulado de 2014, foram adquiridas 36,380 milhões de peças inteiras de couro cru de bovino, 5,3% abaixo do registrado no ano anterior.

Em relação à origem couro, a maior parte teve procedência de matadouros e frigoríficos, seguido pela prestação de serviços, que responderam juntos por 90,9% do total das aquisições em 2014.

Sobre a participação das unidades da federação, Mato Grosso, o líder no abate de bovinos, continuou a liderar o ranking nacional da aquisição de couro em 2014.

Em 2014, foram industrializadas 36,488 milhões de peças inteiras de couro cru, representando queda de 4,7% em relação ao total industrializado em 2013.

O principal método utilizado para o curtimento foi ao cromo (95,32%), seguido pelo tanino (3,84%) e outros métodos de curtimento (0,83%). O cromo foi utilizado em 20 Unidades da Federação.