A irrigação é uma peça fundamental na produção de café

13/03/2018

A técnica de irrigação tem ganhado espaço e existe potencial para irrigar ainda mais cafezais. Tecnologia é o que não falta para isso.  É o que mostra a Fenicafé – Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura que acontece em Araguari no Triangulo Mineiro, de 13 a 15 de março de 2018.

A abertura oficial do evento aconteceu na manhã desta terça e recebeu autoridades políticas e grandes nomes da cafeicultura nacional.

O presidente da Associação dos Cafeicultores de Araguari (ACA) – entidade promotora da Fenicafé, Cláudio Morales Garcia, em seu discurso falou sobre o crescimento da feira. “Possuímos uma feira, que ao longo dos anos evoluiu, buscando ficar, ano após ano, mais bonita, agradável e principalmente dando oportunidade à cafeicultura irrigada com resultados de satisfação aos expositores e aos visitantes”. Morales diz que são anos de comprometimento. “Enfrentamos turbulências: a crise econômica, que afetou diversos setores da economia brasileira; e a crise hídrica que ainda assombra os produtores que se utilizam da água como fonte de irrigação das lavouras”. Para ele, a água é o insumo mais preciso para qualquer cultura.

Já Francisco Sérgio Assis, presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, mencionou a importância da agricultura. “Precisamos quebrar paradigmas e investir na agricultura brasileira. Temos que valorizar o que temos de bom em nosso país”, afirma.

Também presente na Fenicafé, o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC) Deputado Silas Brasileiro, foi categórico em afirmar que a cafeicultura precisa da ciência e da tecnologia para avançar. “A política também se faz necessário, pois é através dela que obtemos as certificações das fazendas cafeeiras”, ressalta.

O secretário executivo do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Eumar Roberto Novacki, participou pela primeira vez da Fenicafé e gostou do que viu. No evento, ele também falou sobre a importância da agricultura e pecuária e destacou sua evolução durante os últimos anos. “Devemos lembrar sempre que um em cada três empregos são gerados no campo. Sem contar que a agricultura brasileira alimenta 1,4 bilhões de pessoas no mundo”, informa.

O vice-governador Antônio Andrade destacou a coragem da ACA em promover uma feira como a Fenicafé. “Em tempo de crise vemos a grandeza de um evento como este. Que, além de apresentar as mais novas tecnologias de irrigação, ainda demostra preocupação com os recursos hídricos”, diz referindo-se ao tema da 23ª edição da Fenicafé – “É tempo de irrigar com consciência”.

“Fenicafé é uma feira tradicional do segmento cafeeiro. É a mais importante do Triangulo Mineiro, com destaque em todo o Brasil e também no mundo. Parabenizo a ACA pela organização e pelo empenho de todos os anos na realização deste evento. Deixo aqui registrado meu apoio à agricultura em especial à cafeicultura”, discursa o prefeito de Araguari Marcos Coelho, mencionando Araguari como cidade referencia na produção de café irrigado.

Cafezais irrigados – A cafeicultura irrigada no Brasil representa quase 300 mil hectares, pouco mais de 12% do parque cafeeiro. Porém, as áreas irrigadas são responsáveis por 30% da produção nacional de café, graças às grandes vantagens do cultivo irrigado comparado com o cultivo de sequeiro.

A irrigação tem sido utilizada mesmo nas regiões consideradas tradicionais para o cafeeiro. Trabalhos de pesquisa demonstram que o aumento de produtividade média com o uso da irrigação (médias de pelo menos três safras) tem sido de 50%, quando comparada com as lavouras de sequeiro.

Araguari é uma referencia em tecnologia na produção de café irrigado. Não é por acaso que o município representa um dos maiores índices produtivos do cerrado mineiro: 40 sacas por hectares. São quase 20 mil hectares de café e mais de 95% são irrigados.

Fonte: Agrolink