Pecuária

A Importância da Qualidade da Água na Pecuária de Leite

A água é um nutriente essencial que está envolvido em todas as funções fisiológicas básicas do organismo animal. No entanto, é importante notar que a água, em relação a outros nutrientes, é consumida em quantidades muito maiores. Portanto, a disponibilidade e a qualidade da água são extremamente importantes para a saúde animal e a produtividade. Limitando a disponibilidade de água o gado vai reduzir a produção de forma rápida e severa. Considerando que a água é consumida em grandes quantidades há dois fatores limitantes importantes a serem observados. Primeiro, se a água é de má qualidade, além do maior risco de contaminantes da água chegar a um nível que pode ser prejudicial à saúde animal ainda a água de má qualidade é muitas vezes o fator limitante de consumo. Segundo a disponibilidade de água com qualidade para atender a demanda necessária pode restringir o uso e prejudicar a produtividade.

A exigência de água e consumo de animais pode variar dependendo das espécies e raças de animais, do estado dos animais, o modo de produção, meio ambiente ou clima em que os animais são criados. Todas essas variáveis são, direta ou indiretamente relevantes para os vários aspectos do metabolismo da água e da fisiologia. Neste contexto, é necessário compreender as questões da qualidade da água a partir da perspectiva da fisiologia da ingestão de água.

1.      Principais agentes Patogénicos.

Uma variedade de patógenos podem ser transmitidos para o gado de fontes de água potável contaminada por uma grande variedade de fatores causais. O risco de contaminação é maior em águas superficiais (açudes, lagos, rios, etc) que são diretamente acessíveis, ou, que recebem o escoamento ou drenagem das operações de pecuária intensiva e dejetos humanos.

Historicamente, a incidência de contaminação das águas subterrâneas por patógenos, principalmente de poços profundos, geralmente tem sido considerada baixa. No entanto, nos últimos anos, as atividades agrícolas focada em grandes operações de criação intensiva tem criado condições ambientais em que a possibilidade de contaminação biológica das águas subterrâneas tornou-se uma grande preocupação.

Os patógenos de maior importância no abastecimento de água para os animais de exploração incluem as bactérias entéricas, como Escherichia coli, Salmonella e Campylobacter jejuni. Outras doenças bacterianas conhecidas para afetar os animais que podem ser transmitidas através das fontes de água incluem Leptospira, Burkholderia (Pseudomonas) pseudomallei e Clostridium botulinum.

Em particular, lençóis freáticos superficiais em solos arenosos, tem alto risco de estarem contaminados. Poços mal vedados e localizados também são responsáveis por uma grande percentagem dos aquíferos contaminados.

Figura 1

Na figura acima, o poço A localizado no aquifero cativo ou confinado esta abaixo da camada de rocha e tem menor probabilidade de estar contaminado quando comprarado ao poço B, localizado na camada livre, ou lençol freático.

Notadamente, uma causa muito importante de contaminação biológica de fontes de água está associada com a indústria animal. Por exemplo, na situação de exploração intensiva de gado, a probabilidade de contaminação das fontes de água com resíduos de animais são muito elevados. Uma forma de avaliar a qualidade da água para a contaminação microbiana de patógenos de origem animal é medir o número de bactérias que são provavelmente associados com resíduos animais. Para este efeito, os índices como as contagens de água de bactérias coliformes ou E. coli são os mais usados, porque estes tipos de microorganismos são comuns em fezes de animais. A presença excessiva destas bactérias na água potável indica falta de higiene.

Figura 2

De particular importância é o risco de contaminação com Escherichia coli O157 de patógenos específicos. Estas bactérias têm sido detectadas em fontes de água do gado, incluindo lagos, água corrente, como riachos, bem como os reservatórios de água (Faith et al, 1996;. Hancock et al, 1998;. Shere et al, 1998;. Van Donkersgoed et al, 2001;. Locatário et al, 2003)..

1.      Riscos associados com E. coli O157

A bactéria E. coli O157: H7 e E. coli 157: H variantes não-móveis, geralmente referida como E. coli O157, tornaram-se uma preocupação importante de saúde pública em todo o mundo. Do ponto de vista das questões de gado de qualidade da água, estas bactérias devem ser reconhecidos como um perigo potencial por causa de sua capacidade de sobreviver e se multiplicar em água (Armstrong et al, 1996;. Coia, 1998, Wang e Doyle, 1998).

Apesar do gado carregar a E. coli O157 não são afetados por ela mas são importantes patógenos humanos. A mera presença dessas bactérias nas fontes de água aumenta o risco da qualidade do produto (leite, carne) pela contaminação cruzada, que podem ter consequências abrangentes sobre a saúde e confiança dos consumidores. É interessante notar que E. Coli O157 pode ser facilmente disseminada entre os bovinos por meio de fontes de água contaminada (Shere et al., 1998). Assim, programas de qualidade da água deve estar entre os pontos de controle chave nas estratégias de redução de patógenos agrícolas. O risco para a população em geral a partir de fontes de água contaminada é muito alta.

No rebanho, a E. coli O157 é onipresente em bovinos ambas as operações de corte e leite (Faith et al, 1996;. Hancock et al, 1998;. Shere et al, 1998;. Donkersgoed Van et al, 2001;. Locatário et al., 2003). Em situações mais específicas para o ambiente de confinamento, a contaminação da água potável com E. coli O157 parece ser um problema generalizado.

Os perigos de saúde associados a patógenos em humanos e animais estão bem documentados. Uma fonte de água contaminada pode apresentar um elevado número de organismos em um grupo de animais, e esse cenário pode gerar um significativo efeito “multiplicador” através da cadeia alimentar. O impacto potencial de patógenos como E. coli O157 deve ser levada a sério no contexto das questões de qualidade da água. Na agricultura moderna, uma gestão rigorosa do abastecimento de água para o gado deve levar em consideração com a contaminação pela água patógenos microbianos.

O esforço para resolver problemas associados a qualidade da água deve levar em conta os seguintes pontos de adequação e controle:

a.      Fontes de abastecimento.

  • Realizar um levantamento das fontes e vulnerabilidade dos aquíferos.

b.      Sistema de Abastecimento.

  • Conhecer detalhadamente o sistema de captação, reservação e distribuição de água da propriedade.

c.      Processo de Desinfecção.

  • Aplicar e mensurar corretamente um processo de tratamento da água disponível na propriedade.

Quanto ao item A, observe nas figuras 1 e 2 atividades que contribuem para a vulnerabilidade de sua fonte de água e faça um mapa esquemático do local. Em regiões onde a produção agropecuária perdura por muitos anos todas fonte de água já tem um nível de contaminação. Tentar mudar a realidade atual promoveria impactos sociais e econômicos incalculáveis. Mas algumas medidas podem mitigar os impactos das atividades sobre a qualidade da água. Havendo a possibilidade de mudar alguma destas situações de risco isso contribuirá significativamente para me lhoria da qualidade da água. Por exemplo, não permitir acesso do gado ào lago, açude ou rio. Não posicionar uma fossa em ponto que contamine a água.

Neste sentido deve-se observar que a vulnerabilidade de uma fonte de água será variável ou mesmo pontual em função de sua velocidade de renovação. Abaixo segue um quadro da taxa de renovação da água em diversos sistemas. Sendo as que nos interessam a Superficial e Subterrânea considere que assim como a primeira pode ter picos repentinos de contaminação, na segunda uma contaminação poderá perdura por mais tempo.

Tabela 1 Taxa de Movimento e Distribuição de Água

Fonte: Hidrologia Básica de Água Subterrânea – United States Geological Survey Water Supply Paper 2220

Em relação aos itens B e C recomendo a leitura dos artigos publicado neste site sobre os temas:

Sistemas de Abastecimento de Água e Processo de Sanitização na Produção Animal.

Uso e manejo da Cloração de Água na Atividade Pecuária

Programa de Apoio a Qualidade do Leite.

Independente da avaliação que se faça dos sistemas de abastecimento o processo de desinfecção nunca deverá ser uma opção e sim uma obrigação que já é regulamentada pela Anvisa/MS Portaria 518. A água contaminada ainda esta entre as maiores causas de morte de crianças por diarreia no Brasil e no mundo.

A contaminação cruzada; quando um patógeno presente num animal chega até o homem transmito por vias diversas; tem aumentado significativamente os surtos de toxinfecção alimentar ralacionadas ao consumo do leite e seus derivados.

Melhorar a qualidade física e microbiológica da água deve ser uma obrigação de todos os profissionais da pecuária envolvidos na produção.

Bibliografia:

1.       Olkowski; A. A. Livestock Water Quality. Tradução própria. Canadá.

http://www4.agr.gc.ca/AAFC-AAC/display-afficher.do?id=1259101276424&lang=eng

2.       Silveira, J. B.; Investigação de Escherichia coli O157:H7 em Carne Moida no Estado do Rio Grande do Sul. http://hdl.handle.net/10183/24802 – Acesso 11/nov/2010

3.       Centro de Vigilância Epidemiológica/CVE/SES-SP. Divisão de Doenças de Transmissão Hídrica e Alimentar – Manual das Doenças Transmitidas por Alimentos e Água.

http://www.cve.saude.sp.gov.br/htm/hidrica/Ecolinet.htm – Acesso 10/nov/2010

4.       Heath, R. C.; Hidrologia Básica de Água Subterrânea – United States Geological Survey Water Supply Paper 2220 – Associação Brasileira de Águas Subterrâneas Núcleo Sul – ABAS. www.remas.ufsc.br/ENS5115/Mtl_Aux_Aula3.pdf – Acesso 10/nov/2010

5.       REBOUÇAS, A. C.; BRAGA, B; TUNDISI, G. T. Águas Doces no Brasil. 3ª Ed. São Paulo: Escrituras, 2006. 748pg.

Autor : João L. Santos (Especialista em Gestão e Qualidade da Água – Beraca)
Fonte: http://pt.engormix.com/MA-pecuaria-corte/administracao/artigos/qualidade-da-agua-pecuaria-de-leite-t361/124-p0.htm