Laranja

Análise dos custos de produção de laranja

Produzir uma caixa de laranja esta cada dia mais caro e não é permitido ao produtor errar em suas estratégias.

Os números que apresentaremos e discutiremos nesta coluna, a partir desta edição, são compostos pela média apurada por uma base de dados de custo de produção de laranja de 15 produtores diferentes, somando 28 propriedades localizadas em diferentes regiões do estado de São Paulo e Triangulo Mineiro, chegando ao montante de 1.841.741 plantas espalhadas por 4.823,6 hectares. 

Analisando os números deste universo o que apuramos é que todo ano os custos de produção de laranja são reduzidos no primeiro semestre, principalmente após as chuvas, onde ainda temos um custo para controle de ervas daninhas e roçagem, até meados de setembro. Porém no ano de 2009 notamos que todos os produtores reduziram ainda mais seus gastos neste período, segurando investimentos e mesmo despesas em razão das condições do mercado, aguardando por dias melhores. Veja no gráfico abaixo que este mês de junho apresenta o menor gasto por planta, 56% inferior à julho de 2008.   

Com estes custos os valores das caixas produzidas estão atingindo uma média bem elevada, inviabilizando a produção de laranja em muitas áreas. Em média, dentre estes produtores analisados, a caixa acabou fechando ao custo de R$ 9,50, sem somar os custos com frete e colheita. É uma situação insustentável para o produtor, de forma que a correta estratégia de investimento, reformas de áreas de produção, novos plantios ou manutenção da área existente deve ser criteriosamente analisada. O recomendado é que a área em produção tenha capacidade financeira para bancar as áreas de investimento das propriedades. O produtor deve atentar para o percentual de área em produção antes de decidir por plantar novas áreas. Muitos produtores, na ânsia por reformar seus pomares, acabaram diminuindo muito suas áreas produtivas, o que levou à falta de recursos em seu capital de giro para manter suas despesas mensais. A crise financeira fez com que o preço pago pela caixa ficasse ainda mais baixo, agravando a situação dos produtores, forçando-os a buscar recursos no mercado financeiro.

Ainda no gráfico abaixo, podemos constatar que nos meses onde a diferença entre o custo máximo, mínimo e médio é pequena, não há muito que o produtor possa fazer para reduzir seus custos, o ganho estratégico neste caso esta centrado realmente em observar as ações tomadas nos meses de grande diferença entre estes parâmetros. Estamos falando dos meses de adubação, onde comprar erradamente pode elevar muito o custo final da caixa produzida, comprando adubo no 1º semestre há um ganho competitivo, pois a procura no mercado é menor. Comprar grandes quantidades, através de associações, grupos ou cooperativas também traz benefícios na negociação. E por fim, ficar atento às promoções que acontecem em feiras e campanhas também pode ser uma boa oportunidade para reduzir seus custos.

É fato que os controles fitossanitários, cada dia maiores e mais exigentes devido às novas doenças, acabaram por elevar ainda mais os custos de produção, mas o movimento identificado na cultura neste inicio de ano prova que todos os produtores estão segurando o máximo possível seus investimentos, ou seja, temos uma situação de quase estagnação da citricultura à espera de um valor pago por caixa mais adequado.

O suco de laranja, por sua vez, tem revelado uma ligeira reação, acumulando uma alta média de 35% na primeira quinzena de julho, este pode ser um indício de esperança para o citricultor, pois é fato que com os custos elevados como estão e com o valor baixo pago por caixa de laranja, não serão todos os produtores que conseguirão se manter no negócio em médio prazo. 

Fonte: http://lpiteli.wordpress.com/2009/09/25/analise-dos-custos-de-producao-de-laranja/